Mais dicas para o fim-de-semana

#VacinaSim Mãos dadas, massaria social, Bienal, raciocínio lógico e, para não dizer que não falei de flores, Vandré e Holambra Raciocínio lógico por Toda a Matéria Duas tartarugas estavam juntas e começaram a caminhar em linha reta em direção a um lago distante. A primeira tartaruga percorreu 30 metros por dia e demorou 16 diasContinuar lendo “Mais dicas para o fim-de-semana”

Castro Alves: O Povo ao Poder

Castro Alves, ou Antônio Frederico Castro Alves, é um poeta romântico do século XIX. Nasceu em Muritiba, no estado da Bahia, em 1847, e morreu em Salvador, no ano de 1871. É conhecido como o “Poeta dos Escravos”, em função de suas poesias de cunho abolicionista. QUANDO nas praças s’elevaDo povo a sublime voz…Um raio iluminaContinuar lendo “Castro Alves: O Povo ao Poder”

Guimarães Rosa

Mineiro de Cordisburgo, João Guimarães Rosa nasceu em 27 de Junho de 1908. Imortal que se tornou pela Academia Brasileira de Letras, comemoramos seu aniversário com dois poemas e um pensamento, espelhos da nossa gente. Na foto, o autor de Sagarana em viagem pelo … Grande Sertão: Veredas. Todo caminho da gente é resvaloso.Mas também,Continuar lendo “Guimarães Rosa”

Chico Lino, poeta

VAZIO De generosa crueldade A atualidade é plena Poesia alivia a pena Com a morte Ninguém se conforma Tudo que transcende Nos transtorna Quando deveriam promover os negros implodiram Palmares; Quando deveriam apoiar povos indígenas deixaram aos azares; Quando deveriam promover a saúde Sequer saldaram; Uma palavra ressoa Nessa noite de estio “Vazio” O estropícioContinuar lendo “Chico Lino, poeta”

Fala dos inconfidentes mortos

Cecília Meirelles Romanceiro da Inconfidência Poema final, após 85 romances Treva da noite, lanosa capa nos ombros curvos dos altos montes aglomerados… Agora, tudo jaz em silêncio: amor, inveja, ódio, inocência, no imenso tempo se estão lavando… Grosso cascalho da humana vida… Negros orgulhos, ingênua audácia, e fingimentos e covardias (e covardias!) vão dando voltasContinuar lendo “Fala dos inconfidentes mortos”

No caminho, com Maiakóvski

Neste Dia Nacional da Poesia trazemos o poema de Eduardo Alves da Costa, cujo trecho em negrito correu mundo e inspirou muitas adaptações sobre a necessidade de sentir como contra si mesmo qualquer injustiça cometida contra qualquer ser humano em qualquer lugar do mundo. Leia o manifesto ao lado na próxima página. Assim como aContinuar lendo “No caminho, com Maiakóvski”

Brecht e a COVID

Dr. Evaldo Stanilaw, no twitter Primeiro morriam os desconhecidos. Mas não sei quem são, então não tem problema. Depois morreram conhecidos. Mas são distantes, tudo bem. Aí morreu minha tia. Era velha,tanto faz. Aí morre você…tudo bem, eu não te conheço! Assim matam indiferença, egoísmo e o negacionismo na COVID! Evaldo Stanilau, o bom doutor,Continuar lendo “Brecht e a COVID”

Estou rindo!

Em 5 de dezembro de 1918, há cento e dois anos, portanto, nascia em Varsóvia, Polônia, José Aron Sendacz. Chegou ao Brasil em 1930, onde se fez nacional, criou família e a Casa do Povo. Nestas plagas, compôs na sua língua natal a sua homenagem a Scholem Aleichem, um dos grandes poetas do leste europeuContinuar lendo “Estou rindo!”