O português não é para amador!

Um poeta escreveu:“Entre doidos e doídos, prefiro não acentuar”.Às vezes, não acentuar parece mesmo a solução.Eu, por exemplo, prefiro a carne ao carnê.Assim como, obviamente, prefiro o coco ao cocô.No entanto, nem sempre a ausência do acento é favorável…Pense no cágado, por exemplo, o ser vivo mais afetado quando alguém pensa que o acento éContinuar lendo “O português não é para amador!”

Sonhos necessários

Paulo Nogueira Batista Junior* Já disse e repito hoje: não sou um sonhador. Cético de temperamento, parece-me até meio ridícula, ligeiramente demagógica e sentimental, a frequente referência a sonhos e à necessidade de sonhar. E, no entanto, … Manoel Bomfim, um dos grandes pensadores brasileiros (injustamente esquecido como são muitos grandes brasileiros – enquanto, diga-seContinuar lendo “Sonhos necessários”

Guimarães Rosa

Mineiro de Cordisburgo, João Guimarães Rosa nasceu em 27 de Junho de 1908. Imortal que se tornou pela Academia Brasileira de Letras, comemoramos seu aniversário com dois poemas e um pensamento, espelhos da nossa gente. Na foto, o autor de Sagarana em viagem pelo … Grande Sertão: Veredas. Todo caminho da gente é resvaloso.Mas também,Continuar lendo “Guimarães Rosa”

100 anos da vírgula

O famoso texto da Associação Brasileira de Imprensa data de 7 de abril de 2008, quando completou cem anos de existência. Mas é sempre atual, instrutivo e nos faz lembrar do c cedilha: levem-no à força ou à forca? Para que ninguém mude uma vírgula da sua informação. A vírgula pode ser uma pausa… ouContinuar lendo “100 anos da vírgula”

Chico Lino, poeta

VAZIO De generosa crueldade A atualidade é plena Poesia alivia a pena Com a morte Ninguém se conforma Tudo que transcende Nos transtorna Quando deveriam promover os negros implodiram Palmares; Quando deveriam apoiar povos indígenas deixaram aos azares; Quando deveriam promover a saúde Sequer saldaram; Uma palavra ressoa Nessa noite de estio “Vazio” O estropícioContinuar lendo “Chico Lino, poeta”

Fala dos inconfidentes mortos

Cecília Meirelles Romanceiro da Inconfidência Poema final, após 85 romances Treva da noite, lanosa capa nos ombros curvos dos altos montes aglomerados… Agora, tudo jaz em silêncio: amor, inveja, ódio, inocência, no imenso tempo se estão lavando… Grosso cascalho da humana vida… Negros orgulhos, ingênua audácia, e fingimentos e covardias (e covardias!) vão dando voltasContinuar lendo “Fala dos inconfidentes mortos”

Mãos Dadas

“O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente.” Carlos Drummond de Andrade, em 1940 Não serei o poeta de um mundo caduco.Também não cantarei o mundo futuro.Estou preso à vida e olho meus companheiros.Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.Entre eles, considero a enorme realidade.O presente é tão grande,Continuar lendo “Mãos Dadas”

No caminho, com Maiakóvski

Neste Dia Nacional da Poesia trazemos o poema de Eduardo Alves da Costa, cujo trecho em negrito correu mundo e inspirou muitas adaptações sobre a necessidade de sentir como contra si mesmo qualquer injustiça cometida contra qualquer ser humano em qualquer lugar do mundo. Leia o manifesto ao lado na próxima página. Assim como aContinuar lendo “No caminho, com Maiakóvski”

Marina Sendacz: duas histórias

Para crianças de 8 a 120 anos Quando, nos anos 1980, a Editora Paulina trouxe de Marina Sendacz a História da Borboleta, duas outras foram contadas pelas tintas da artista plástica: Ploft, o pinguim de geladeira e O ponto amarelo. As pranchas integram o novo livro, que aguarda a vacinação de todos para o lançamentoContinuar lendo “Marina Sendacz: duas histórias”

A Rosa do Povo

Carta a Stalingrado Contam os mais vividos que todos os dias Eron Domingues abria o Reporter Esso reafirmando que “Stalingrado continua de pé”, animando a certeza dos brasileiros da vitória dos Aliados sobre o nazifascismo. A 31 de janeiro de 1943 o 6º Exército alemão se rendia em Stalingrado. Carlos Drummond de Andrade escreveu esteContinuar lendo “A Rosa do Povo”