Getúlio Vargas e o 1º de Maio de 1954

Hoje estais com o governo, amanhã sereis governo Propositadamente trouxemos o título do capítulo 18 do Pensamento Nacional-desenvolvimentista para a linha fina, de modo a não causar qualquer confusão com o tempo presente, em que no governo estão genocidas e corruptos, em posição diametralmente oposta aos interesses nacionais e valores do trabalho. Em sua derradeiraContinuar lendo “Getúlio Vargas e o 1º de Maio de 1954”

Crise estrutural e o Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento

No momento em que as Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e Central Geral dos Trabalhadores (CGTB) se unificam em seu V Congresso, fez importante saudação aos trabalhadores o professor pós-doutor e economista Nilson Araújo de Souza, sobre o novo projeto nacional de desenvolvimento. Pela relevância ao Brasil que quer produzir e fruirContinuar lendo “Crise estrutural e o Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento”

Valorização do trabalho e fortalecimento do mercado interno (final)

Carlos Alberto Pereira destacou como mais relevante medida o estabelecimento do salário-mínimo, com as observações abaixo acompanhadas de suas considerações finais ao novo projeto de desenvolvimento nacional. O salário-mínimo A medida mais profunda e efetiva no sentido da melhoria das condições de vida do trabalhador e da consolidação do mercado interno, foi o estabelecimento deContinuar lendo “Valorização do trabalho e fortalecimento do mercado interno (final)”

Valorização do trabalho e fortalecimento do mercado interno (parte 4)

Getúlio Vargas adotou diversas medidas para valorizar o trabalho, como ferramenta para o fortalecimento do mercado interno, segundo Carlos Alberto Pereira. Como resgate da contribuição nacional-desenvolvimentista, são elas: A – Criação do Ministério do Trabalho – novembro de 1930 – chamado Ministério da Revolução, Um ministério para zelar e ampliar os direitos dos trabalhadores. UmContinuar lendo “Valorização do trabalho e fortalecimento do mercado interno (parte 4)”

Valorização do trabalho e fortalecimento do mercado interno (parte 3)

O terceiro bloco das considerações de Carlos Alberto Pereira volta-se ao fortalecimento do mercado interno, sob a ótica do nacional-desenvolvimentismo. Construção da Companhia Siderúrgica Nacional Sobre o investimento público O capital estrangeiro que dispunha de tecnologia para o setor de bens de capital, não tinha interesse em desenvolver o setor de máquinas, equipamentos e insumos.Continuar lendo “Valorização do trabalho e fortalecimento do mercado interno (parte 3)”

Valorização do trabalho e fortalecimento do mercado interno (parte 2)

Na primeira parte, Carlos Alberto Pereira estabeleceu o cenário de degeneração econômica e política da oligarquia cafeeira e a dependência ao imperialismo inglês. À sequência, o tema foi a Revolução de 30 e o programa revolucionário de Getúlio Vargas. A Revolução de 30 começa em 1º de março de 1922. A oficialidade jovem ansiava porContinuar lendo “Valorização do trabalho e fortalecimento do mercado interno (parte 2)”

Valorização do trabalho e fortalecimento do mercado interno

À construção do novo projeto nacional de desenvolvimento em debate na Fundação Maurício Grabois, Carlos Alberto Pereira procurou demonstrar “que a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas, pelo movimento tenentista e pelo empresariado nacional, foi uma revolução nacional, democrática e anti-imperialista, que derrubou a oligarquia cafeeira do poder, promovendo, assim, a burguesia industrial.“ PereiraContinuar lendo “Valorização do trabalho e fortalecimento do mercado interno”

O caminho brasileiro para o nacional-desenvolvimentismo

Com informações da Hora do Povo e do Vermelho A Fundação Maurício Grabois, por meio da cátedra Cláudio Campos, deu início à construção de um projeto de país para o Brasil, como contribuição para, mais que superar a pandemia e o fascismo que pairam no ar, retomar as rédeas do desenvolvimento econômico e social brasileiro.Continuar lendo “O caminho brasileiro para o nacional-desenvolvimentismo”

O trabalho é o fio condutor para ler o lugar das mulheres na sociedade

No processo de preparação à 3ª Conferência do PCdoB pela Emancipação da Mulher, a noite de sexta foi reservada à plenária sindical do partido. Superlotaram a sala virtual homens e mulheres ligados à luta trabalhista e feminina. O título compõe a apresentação de Ana Rocha. Aos presidentes da CTB e da CGTB coube a palavraContinuar lendo “O trabalho é o fio condutor para ler o lugar das mulheres na sociedade”

Uma reflexão para o cair da tarde*

No Brasil, um brasileiro acordou e desligou o despertador fabricado na China, que marcava 8 horas da manhã. Calçou seu chinelo feito no Paraguai, tomou um banho quente no chuveiro elétrico também chinês e enxugou-se em uma toalha da Indonésia. Fez café na cafeteira importada do Japão e procurou trabalho no seu computador feito naContinuar lendo “Uma reflexão para o cair da tarde*”