O cotidiano operário de Santos sob as sombras

Após retratar os cenários e personagens operários santistas da primeira parte da obra de mestrado de Rodrigo Rodrigues Tavares, apresentamos agora o terceiro bloco de A “Moscouzinha” Brasileira, referente aos dez anos de fechamento político que se seguiram à Intentona, período que compreendeu o chamado “Estado Novo”. A relativamente rápida derrota militar da Intentona deContinuar lendo “O cotidiano operário de Santos sob as sombras”

A “Moscouzinha” brasileira – 1945 a 1954

Quando após muitos anos as urnas se abriram em Santos em 1945, o candidato a presidente lançado pelo Partido Comunista Iedo Fiuzza contava na cidade com 45% dos votos. A combinação da liberdade de organização partidária, a liderança de um sem-número de entidades populares e o prestígio da URSS, que recém hasteara sua bandeira sobreContinuar lendo “A “Moscouzinha” brasileira – 1945 a 1954″

Personagens do cotidiano operário de Santos

Após situar o cenário santista em termos de bairro-nação, bonde-operário e locais de trabalho, Rodrigo Rodrigues Tavares historia as pessoas que protagonizaram a vida laboral na era Vargas, dedicando a segunda parte da sua tese de mestrado ao período até a eclosão da intentona comunista de 1935. As referências mais conhecidas dos trabalhadores eram, comoContinuar lendo “Personagens do cotidiano operário de Santos”

O bairro-nação e o bonde-operário de Santos

A pesquisa de mestrado de Rodrigo Rodrigues Tavares traz os cenários e personagens do cotidiano operário de Santos nos idos de 1930 a 1954. Porto de entrada para o Brasil, em 1934 um a cada quatro habitantes da cidade era estrangeiro, predominantemente português. Uma presença que superava um terço catorze anos antes. Para entender oContinuar lendo “O bairro-nação e o bonde-operário de Santos”

PORQUE UM BURACO NO PORTO DE SANTOS INCOMODA TANTA GENTE?

Enquanto a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo procede à CPI das Cavas Subaquáticas, é oportuno conhecer mais para concluir sobre a segurança e a sustentabilidade do meio-ambiente caiçara, sem prejuízo ao movimento portuário na Baixada Santista. A Comissão Parlamentar de Inquérito foi instalada em 2021 com a finalidade de “investigar irregularidades envolvendo osContinuar lendo “PORQUE UM BURACO NO PORTO DE SANTOS INCOMODA TANTA GENTE?”

Santos, 476, e a chegada dos imigrantes ao Brasil

A história da cidade-sede da Baixada Santista confunde-se de muitas maneiras com o Porto de Santos, correspondente hoje à principal atividade econômica regional. O Arquivo Histórico de São Paulo disponibilizou cópias das 51.162 listas de desembarque de pessoas nos navios que aportaram na Ilha de São Vicente entre 1888 e 1973, relacionando seguramente mais deContinuar lendo “Santos, 476, e a chegada dos imigrantes ao Brasil”

Presidente da Aguaviva alerta para os perigos da instalação de terminal de fertilizantes em Santos

“É importante alertar a opinião pública sobre desatenção e o desrespeito com as populações das cidades de Santos, Guarujá e da Baixa Santista, para a ameaça da instalação de terminais com armazenamento de cargas perigosas, como o nitrato de amônio, na região de Outerinhos em Santos, ao lado de hospitais, escolas e moradias. Não podemosContinuar lendo “Presidente da Aguaviva alerta para os perigos da instalação de terminal de fertilizantes em Santos”

O futuro do Porto de Santos

Em uma série de matérias próprias e artigos do Eng. Eduardo Magano, a Portogente aborda a necessária ampliação e modernização portuária na Baixada Santista. Os ativos portuários não são meras fontes de caixa do governo, privatizáveis para pagar juros e outras coisas, mas fonte de riqueza para o país e carentes de investimentos da ordemContinuar lendo “O futuro do Porto de Santos”

Vou de túnel

São 40 mil os transeuntes diários entre as ilhas de São Vicente e Santo Amaro, a caminho do trabalho, de casa, do comércio ou da praia, hoje servindo-se das balsas e barcos do maior sistema do planeta do tipo. De forma mais lenta, cara e menos segura que a travessia seca, antigo desejo e necessidadeContinuar lendo “Vou de túnel”

Superciclo de comódites e os desafios da logística no Brasil (4)

A Fundação FHC realizou interessante debate com foco em comódites e logística no Brasil. A partir do exposto nas três primeiras partes desta série, cabem algumas considerações sobre o seminário, a partir do ponto-de-vista deste autor. Na sala de debates, registramos um par de perguntas que os convidados não tiveram a oportunidade de se pronunciarContinuar lendo “Superciclo de comódites e os desafios da logística no Brasil (4)”