Salário-Mínimo de R$ 1.210,00 é 20% do Mínimo criado por Getúlio

Carlos Pereira O salário-mínimo do Paraguai, faz tempo, é mais que o dobro que o salário-mínimo do Brasil. Em junho deste ano era de R$ 2.286,00 (U$ 330,81) e o do Brasil R$ 1.100,00. Em 13 anos de governo do PT essa situação humilhante se manteve. Os mínimos da Bolívia e do Panamá também sãoContinuar lendo “Salário-Mínimo de R$ 1.210,00 é 20% do Mínimo criado por Getúlio”

Desenvolvimento é a força motriz da erradicação da pobreza na China

Isis Paris Maia e Diego Pautasso, no Bonifácio O desenvolvimento é condição – embora não suficiente – para a erradicação da pobreza. Este não é força espontânea, mas depende do projeto nacional e do consequente lugar do país no sistema internacional. Do contrário, a mobilidade social resume-se a intencionalidades. Dessa forma, a compreensão das políticasContinuar lendo “Desenvolvimento é a força motriz da erradicação da pobreza na China”

A indústria submissa à financeirização

Ladislau Dowbor, ao Portal da NCST Enquanto avançamos pela Pedagogia da Economia, trazemos algumas ideias do professor para retomar o desenvolvimento do Brasil, alicerçado na indústria de transformação. Em detalhado arrazoado à Nova Central Sindical dos Trabalhadores (+2084 palavras), Dowbor relaciona os seguintes tópicos: • Gerar uma capacidade de controle efetiva de formação de monopóliosContinuar lendo “A indústria submissa à financeirização”

O quadro da engenharia brasileira

Segundo o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) estão registrados no país 896.229 engenheiros, assim distribuídos pelas unidades da Federação: Ainda de acordo com o Confea, são seis as modalidades de atuação da atividade, ainda hegemonicamente masculina nos dias atuais: Agrimensura – 14 mil engenheiros Civil – 452 mil engenheiros Eletricista – 188 milContinuar lendo “O quadro da engenharia brasileira”

O nacional-desenvolvimentismo e a industrialização

Nilson Araújo de Souza O modelo agrário-exportador não conferia ao Brasil politicamente independente status de nação desenvolvida. Ao contrário, terminava por financiar, às expensas do trabalho nacional, o desenvolvimento dos países que se industrializavam. O capítulo 29 do Pensamento Nacional-desenvolvimentista é dedicado ao esforço brasileiro para superar a dependência das importações de manufaturados e bensContinuar lendo “O nacional-desenvolvimentismo e a industrialização”

O papel da indústria em um novo projeto de desenvolvimento

A emancipação nacional e o desenvolvimento independente do Brasil demandam um parque industrial capaz de prover o país de bens e tecnologia sem depender exclusivamente da boa vontade do capital financeiro internacional para com o país. Com mediação de Abigail Pereira, a TV Grabois apresentou três economistas para debater o tema. O professor da UFRJContinuar lendo “O papel da indústria em um novo projeto de desenvolvimento”

O fortalecimento da Nação é o caminho, o socialismo é o rumo

Ao debate do Novo Programa Nacional de Desenvolvimento e da Plataforma Emergencial de Reconstrução Nacional faz-se necessário acrescentar o vigente Programa Socialista do PCdoB, aprovado em 2009 e sob atualização pelo partido. Na avaliação partidária, “o Brasil tem condições para se tornar uma das nações mais fortes e influentes do mundo. Um país soberano, democrático,Continuar lendo “O fortalecimento da Nação é o caminho, o socialismo é o rumo”

O caminho brasileiro

João Goulart, março de 1964 Em dois sucessivos eventos, o presidente brasileiro João Goulart conversava com os trabalhadores na Central do Brasil (13.3.1964) e enviava mensagem ao Congresso Nacional (15.3.1964). Os documentos ilustram os capítulos 21 e 22 do Pensamento Nacional-desenvolvimentista. Ao povo reunido na praça, Jango procurou “inspirar confiança no futuro” com “a coragemContinuar lendo “O caminho brasileiro”

Roberto Simonsen: a indústria e o desenvolvimento do Brasil

Da terra de Bonifácio, o hino da cidade de Santos certamente a Roberto Cochrane Simonsen se refere quando entoa “tantos filhos na História”. Compõe o décimo capítulo do Pensamento Nacional-desenvolvimentista o artigo de Carlos Lopes na Hora do Povo, reputando-o como “um dos grandes homens do Brasil”, sendo que “a tacanhez era estranha à suaContinuar lendo “Roberto Simonsen: a indústria e o desenvolvimento do Brasil”

Radiografia do “modelo brasileiro de desenvolvimento”

No Capítulo 9 do Pensamento Nacional-desenvolvimentista vem a conclusão de “Brasil: radiografia de um modelo”, de 1974, em que Nelson Werneck Sodré disseca as correlações entre o capitalismo monopolista de Estado dos centros econômicos globais e a estrutura repressora aplicada sobre a sociedade brasileira. Como se verá, a sanha repressiva atual tem muito de suaContinuar lendo “Radiografia do “modelo brasileiro de desenvolvimento””