Privatização e desmonte do sistema causaram apagão no Amapá

Conforme publicado na Hora do Povo Ildo Sauer afirmou, ao analisar o apagão que atingiu o estado do Amapá, com dois blecautes totais nos dias 3 (durante 4 horas) e 17 de novembro (por 7 horas), que o episódio revelou “a ponta de um iceberg, que está latente”. Ele alertou “que a situação no BrasilContinuar lendo “Privatização e desmonte do sistema causaram apagão no Amapá”

Todos pelos Correios

Quem é do século passado certamente lembrará que os Correios Brasileiros já dividiam com os Bombeiros o reconhecimento popular como instituição mais confiável do Brasil. Não é sem razão. 91% dos municípios brasileiros são atendidos pelos cem mil funcionários da estatal, dos quais 57 mil são carteiros. São mais de 11 mil agências e 25Continuar lendo “Todos pelos Correios”

Palavra do Presidente

Markito Duarte* “Léo Heller – relator especial da ONU no Brasil para questões do “direito à água e esgoto”, é também pesquisador da FIOCRUZ . Léo afirma que a lei aprovada é uma reforma do Marco Regulatório, aprovado em 2007 pela Lei nº 11.445, e diz : “Essa reforma traz uma maciça privatização do saneamento,Continuar lendo “Palavra do Presidente”

Sede, só de lucro!

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil trouxe os representantes dos profissionais de saneamento para falar da privatização da água e a nova lei do saneamento. Sim, sabemos que o marco é do tratamento e distribuição do líquido precioso, mas os dirigentes da categoria foram enfáticos em mostrar como é o plano todo. TãoContinuar lendo “Sede, só de lucro!”

Sobre água privada e telefones

Enquanto escrevíamos sobre a privataria oficial, o chargista realizava seu especial mister de captar, em uma figura, a essência do novo marco relatório do saneamento básico. Não que esperemos um arroubo de compromisso público e nacional do Presidente da República em vetar as partes ou o todo da Lei que facilita a transferência à mãosContinuar lendo “Sobre água privada e telefones”

Neoprivataria

É voz corrente que não se deve fazer na esfera pública o mesmo que se faz na privada. Mas não parece ser a prática de Salim Mattar, que ocupa a Secretaria vinculada ao Ministério da Economia encarregada de “reduzir o tamanho do Estado”. Requentando antigas, para não dizer caducas, ordens liberais de Guedes de privatizarContinuar lendo “Neoprivataria”