Projeto de Nação na Revolução de 30 e nos dias de hoje

90 anos depois de conflagrado o movimento revolucionário no Rio Grande do Sul, um rico debate reuniu acadêmicos gaúchos e de outras terras brasileiras, sob moderação da historiadora Glaucia Konrad, em busca da atualidade do projeto nacional-desenvolvimentista.

Pedro Dutra Fonseca abriu as exposições discorrendo sobre o Projeto Nacional na Revolução de 30. O professor realçou o caráter transformador do Brasil de então, evoluindo de sociedade agrária a urbana e industrial, com substituição de importações e o mais acelerado crescimento econômico global nos cinquenta anos seguintes. Se antes os insurretos brandiam movimentos regionais, a partir de 30 a vitória leva à unidade nacional para superar o modelo que privilegiava exportações agrícolas em detrimento e com o sacrifício do mercado interno.

Se os descontentes de 32 queriam ver de volta a Constituição de 1891, ao fim da segunda guerra a UDN pretendia remover, além da ditadura, a propriedade estatal da CSN e o direito de férias, concluiu o autor de Vargas, capitalismo em construção.

A Luiz Alberto de Vargas, dos Juízes pela Democracia, coube detalhar a relação do “chefe mais amado da Nação” com os trabalhadores. O desembargador do TRT 4 situou o projeto de Getúlio como alternativa às vitoriosas revoluções socialistas de então.

Classificando o governo revolucionário como social-democrata, uma rede jurídica de proteção ao trabalhador foi criada com o Ministério do Trabalho e uma série de garantias legais, entre elas a liberdade de organização sindical, reajuste anual e Justiça do Trabalho, que culminaram em 1943 com a Consolidação das Leis do Trabalho.

O magistrado observou que certa parte dos que se dizem hoje “progressistas” e “de esquerda” subestimam o papel de Vargas e do projeto nacional no processo de emancipação dos trabalhadores.

E foi discorrendo sobre dependência e nacional-desenvolvimentismo que Renato Rabelo concluiu a aula magna de 3 de Outubro. Sempre que se tratou de industrialização sob controle nacional e aumento do poder aquisitivo dos trabalhadores, o mercado interno dinamizou-se e o crescimento econômico foi resultado marcante.

Assim foi no Brasil de 30 a 80 do século passado, assim é na China e na Coreia do Sul desde então. O proclamado “fim da era Vargas” reprimarizou a economia brasileira e fez crescer continuamente a dependência externa e financeirização econômica local, com o consequente aumento da pobreza entre os brasileiros.

O presidente da Fundação Maurício Grabois citou o General Nelson Werneck: “a construção da Nação brasileira é etapa insubstituível na transformação da sociedade, rumo ao socialismo”. Estando novamente o Brasil na periferia internacional pela sua dependência econômica, tecnológica e cultural, a questão nacional é central como pressuposto para a democracia e progresso social. Ao oferecer um novo projeto nacional de desenvolvimento, Rabelo arrematou: esse é o caminho brasileiro a seguir.

Precedeu os debates um vídeo sobre a viajada de 30:

3.10 Saída do Rio Grande
Fraterno encontro das tropas em Itararé/SP
Triunfo na Capital Federal (Rio de Janeiro)
Tenentes de 22 e o povo nas ruas

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “Projeto de Nação na Revolução de 30 e nos dias de hoje

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: