Dois caminhos para o Brasil

Recente classificação dos países de Ranaldi e Milanovic combinou a composição e a concentração da renda dos cidadãos, mostrada no gráfico ao lado. Em Variedades do Capitalismo, os conceitos foram trazidos ao público pelo economista e professor Fernando Nogueira da Costa. Como se intui, não há economias de razoável distribuição da renda que não privilegiemContinuar lendo “Dois caminhos para o Brasil”

A sonegação de impostos e o descumprimento de direitos

Não se trata aqui de restringir o direito constitucional de quem quer que seja à judicialização do que lhe pareça direito, menos ainda à União, zeladora do bem e do caixa públicos. Mas o levantamento trazido pela Folha de São Paulo aponta uma controvérsia no mínimo curiosa. O precavido administrador de riscos sabe que umaContinuar lendo “A sonegação de impostos e o descumprimento de direitos”

A resposta das urnas às crises econômica e sanitária

O jornalista Osvaldo Bertolino trouxe à sua Roda de Conversa o doutor em Economia Nilson Araújo de Souza, para avaliar os efeitos do bolsonarismo sobre a presente crise econômica e sanitária brasileira. Também participou da conversa Jorge Gregory, de Brasília. A derrota generalizada no conjunto das maiores cidades dos candidatos mais próximos do Presidente daContinuar lendo “A resposta das urnas às crises econômica e sanitária”

A crise financeira de Estados e Municípios

Após a conclusão, em Setembro de 2020, do nosso curso sobre o Dinheiro, sua história e a acumulação financeira, a Escola Nacional de Formação da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) traz José Carlos de Assis para tratar da situação fiscal subnacional. Nas primeiras duas de quatro aulas, o professor, economista e doutorContinuar lendo “A crise financeira de Estados e Municípios”

Criatividade para a justiça social

Assim resumiu o jornalista Rodrigo Bertolino a entrevista que que concedemos ao Manhã RBA Litoral de 22.9.2020. Sob o comando de Tania Maria, lá estivemos na companhia do economista José Pascoal Vaz, da coluna Economia sem Complicação. Se em 18 de Agosto abordávamos as finanças públicas em tempos de pandemia, tema que infelizmente guarda aindaContinuar lendo “Criatividade para a justiça social”

O agro é pop?

Recebemos o artigo abaixo como contribuição ao presente debate sobre o agronegócio brasileiro. Quando o país se desindustrializa a olhos vistos e a pauta de exportações reduz-se a umas poucas culturas rurais, o tema ganha relevância não só pela carestia dos alimentos no Brasil, mas também pela concentração de renda que produz, sem contrapartidas sociaisContinuar lendo “O agro é pop?”

A reforma administrativa não pode ser feita antes da reforma tributária!

A nítida dissociação entre o interesse público e o envio da PEC 32/2020 ao Congresso Nacional foi objeto da queixa, que intitula esta nota, feita pelo deputado federal paulista Fausto Pinato, advogado de formação, no webinário da Frente SP sobre a importância do serviço público e a reforma administrativa. Mediaram Vera Olímpia, do Sinpait, eContinuar lendo “A reforma administrativa não pode ser feita antes da reforma tributária!”

Tributos mais próximos à população

A 12ª edição de Você Acha Justo? enfocou o aspecto federativo da tributação dos super-ricos. O programa de Camilo Vannuchi debate a reforma tributária emergencial, a caminho de outra mais ampla e solidária. O Auditor Fiscal André Horta, ex-secretário da Fazenda no Rio Grande do Norte e hoje assessor do governo piauiense, confirmou que oContinuar lendo “Tributos mais próximos à população”

Governo obscurantista quer acabar com leitura

O projeto de reforma tributária de Guedes-Bolsonaro, expressando a posturaobscurantista e anti-conhecimento desse grupo que se adonou do governo, pretende incluir o setor de livro na cobrança de uma alíquota de 12% de uma nova contribuição. Atualmente, o livro é isento de imposto com base em preceito constitucional e,no caso das contribuições Pis/Pasep e Cofins,Continuar lendo “Governo obscurantista quer acabar com leitura”

Fonasefe: Dinheiro para o serviço público, tem!

Quando em seminário o Fórum da Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais – Fonasefe – discute o desmonte do Estado, uma pergunta é recorrente no Brasil: o Estado nacional não está falido, sem dinheiro, e por isso não pode prestar serviços diretamente por funcionários seus, precisando ceder passo à privatização de suas atividades? As exposiçõesContinuar lendo “Fonasefe: Dinheiro para o serviço público, tem!”