O papel da indústria em um novo projeto de desenvolvimento

A emancipação nacional e o desenvolvimento independente do Brasil demandam um parque industrial capaz de prover o país de bens e tecnologia sem depender exclusivamente da boa vontade do capital financeiro internacional para com o país.

Com mediação de Abigail Pereira, a TV Grabois apresentou três economistas para debater o tema.

O professor da UFRJ Eduardo da Costa Pinto constatou que os países que mais enriqueceram tiveram como eixo fundamental a indústria. Para seguir-lhes os passos, carece o Brasil de mudança do modelo agrário exportador para outro de cunho industrial. Na periferia, tal transformação não pode prescindir do Estado como condutor.

O planejamento da atividade pública e privada, completou Eduardo, deve ser ousado e contornar a resistência do capital portador de juros, predominante sobre a economia brasileira nos dias de hoje.

A seu turno, Maria de Lourdes Mollo confirmou que não há como promover o desenvolvimento do país com cunho distributivo sem papel deliberado do Estado. Na opinião da a economista da UNB, é a demanda e não a oferta que precisa ser estimulada pela ação pública. A opção por ela apontada recai sobre o mercado interno de bens de consumo, pelo poder encadeante sobre os empregos e salários.

Aloisio Sérgio Barroso expôs o movimento da indústria dos países mais avançados para o sudeste da Ásia, que representou uma perda de oportunidade brasileira e de seus vizinhos sul-americanos no rearranjo da cadeia global de produção.

Barroso lembrou que o crescimento do consumo observado no Brasil baseou-se em importação não só de produtos finais, como também de insumos. Para recuperar o atraso e, no longo prazo, se integrar na produção de “máquinas que operam máquinas”, o doutor pela Unicamp acredita que o país deve começar por infraestrutura, energia, logística, saneamento e politicas públicas que gerem emprego e renda, ao invés de ancorar as expectativas de crescimento no câmbio e nos juros.

Costa Pinto afirmou, com razão, ser a indústria meio para se chegar ao desenvolvimento. Por onde começar a caminhada brasileira após décadas de terra arrasada é questão não de todo nítida. Outras experiências partiram da prioridade exatamente da produção de máquinas que, com o tempo, se reflete no consumo pela ampliação da produtividade do trabalho e da renda. Mas é certo que esta não pode ser meramente drenada ao estrangeiro.

Leituras recomendadas: Unir a Nação e romper com a dependência e A emancipação nacional.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: