A emancipação nacional

Getúlio Vargas, em cadeia radiofônica nacional

31 de janeiro de 1954

Capítulo 17 do Pensamento Nacional-desenvolvimentista

Ao iniciar o quarto ano de seu governo – que viria a ser o último de sua vida, Getúlio dirigiu-se aos ouvintes para explicar que seu programa de defesa dos valores do trabalho brasileiro estava em curso e não fora anunciado “previamente porque os debates teriam impedido a sua realização”, Segundo ele, então ninguém mais poderia deter a marcha do Brasil. No entanto, como se conhece da história, muitos ainda tentariam e, em grau maior ou menor, sucederiam nesse sentido.

As medidas tomadas para frear o “excepcional campo de especulação”, especialmente na esfera cambial, teve reação, mas alcançaram um patamar justo no interesse nacional. Desvios cambiais de 250 milhões de dólares e registro indevido de capital estrangeiro de mais de 130 milhões de dólares foram identificados, reduzindo os compromissos de capital com o exterior, sem prejuízo dos direitos de quem de fato investiu no Brasil.

Prosseguia Vargas:

Há, em nossa vida, dois marcos decisivos. O da utilização do nosso ferro e o da formação das nossas fontes de energia. Iniciei a marcha, superando todos os obstáculos para a criação da nossa siderurgia. Agora vamos para a etapa das fontes de energia.

Não só os combustíveis fósseis do petróleo, mas a geração de energia elétrica no ritmo necessário ao aumento anual de 14% na demanda foi objeto da ação pública, por meio de garantias aos empréstimos das concessionárias que precisavam expandir sua produção.

Cresceu a capacidade de importação do Brasil, ao mesmo tempo que a renda nacional mais que dobrou em cinco anos. Com o trabalho na indústria e no campo, com as obras públicas de infraestrutura rodoferroviária e portuária. Com mais siderurgia do ferro mineiro, mais fabricação de motores, celulose e petroquímica.

Como lembrou Vargas nas ondas do rádio, “não se trata de programa apenas, e, sim, de iniciativas em curso. Tudo isso obedeceu a um plano de seletividade das iniciativas, coordenadas na base de sua essencialidade e da economia de divisas que tais realizações produziriam para a Nação”.

Menos de 7 meses antes do seu martírio, o presidente lembrou:

Não é mais possível manter uma sociedade dividida entre o pequeno grupo do capital, que tudo tem, e a massa imensa do trabalho, a que tudo falta.

Suas palavras finais nesse dia foram por uma sociedade que não negasse o valor da iniciativa individual, mas que fosse despojada de privilégios e monopólios, geradores de injustiças e desigualdades.

O ideal de emancipação nacional foi assim expresso por Getúlio:

Não é mais possível admitir a penúria no meio da opulência, a escassez no meio da abundância, a condição de uns que não tem o indispensável para viver e a ostentação de outros que têm o supérfluo para malbaratar.

Palavras que dizem muito do Brasil hoje, quase sete décadas depois de 1954.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “A emancipação nacional

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: