O desmonte do setor de energia no Brasil – Eletrobras (1)

Energia limpa e renovável

A Fundação Maurício Grabois, por meio da Cátedra Cláudio Campos, organizou seminário sobre o desmonte do setor de energia no Brasil e os caminhos para a sua reconstrução. A primeira mesa concentrou-se na Petrobrás, reservando-se a segunda à Eletrobrás, no dia 30.5.2022, transmitida pela TV Grabois.

Aos adjetivos “farta” e “barata”, usados como características positivas da soberania energética brasileira, foram adicionados “limpa” e “renovável”. A produção de eletricidade a partir dos vastos recursos hídricos do território nacional, além de contribuir para o desenvolvimento sócioeconômico do país, ajuda a manter a vida e o planeta em boas condições, dado o baixo carbono emitido quando do seu uso. Ademais, a rede de distribuição permite o consumo em local distante da geração, atingindo hoje mais de 99% da população do país.

Ao contrário do petróleo, a eletricidade é de difícil importação e estocagem. Seu consumo é praticamente inelástico, ou seja, não sofre variação significativa em razão, por exemplo, dos preços praticados. Para gerar e distribuir quase que instantaneamente a energia que o país precisa, um complexo sistema integrado de usinas produtoras, mormente hidrelétricas, e reservas de água represada como fonte potencial é exigido. Uma gestão, aqui como no mundo, que só o poder público é capaz de fazer. E essa é a tarefa primeira da Eletrobras, empresa criada pelo Brasil nos anos 1960.

A estatal tem duplo papel, como a Petrobras, no desenvolvimento nacional: além de ajudar a suprir a energia necessária à industrialização do país, é produtora e compradora da engenharia nacional.

Por dez anos, Itaipu configurou-se como a maior usina hidrelétrica do mundo. Por vinte anos, a rede de distribuição da Eletrobras foi a mais extensa do planeta.

Mas o aporte tecnológico não para por aí. A geração de eletricidade também vem sendo feita a partir da energia eólica, fotovoltaica e térmica, sendo esta última mais poluente e cara que as de outras origens. E, segundo os especialistas, pouco necessária, já que o potencial hidráulico ainda não está sendo totalmente utilizado.

O setor de energia é tipicamente monopolista. A iminente transferência de controle o será, se concretizada como se anuncia, a monopólio privado. A que preço, é o tema da segunda parte desta cobertura.

A mesa contou com a apresentação de Rosanita Campos, abertura por Nilson Araújo de Souza, moderação de Nivaldo Santana e debate entre Ildo Sauer, Roberto D’Araújo, Aurélio Valporto, Clarice Ferraz, Íkaro Chaves e Sérgio Cruz.

O desmonte da Petrobras você confere aqui.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, conselheiro da Casa do Povo, EngD, CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

8 comentários em “O desmonte do setor de energia no Brasil – Eletrobras (1)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: