Toda a verdade em 8 páginas

Quando em 1979 entrava setembro e a boa nova andava nas ruas chegava às bancas a 1ª edição da Hora do Povo, cuja capa ilustrava exatamente o futuro vereador carioca Antonio Carlos de Carvalho em seu primeiro passeio após a Anistia, em Copacabana.

Muitos são os ingredientes que levaram o revolucionário meio de comunicação aos quase quarenta anos de hoje, mas os que se destacam desde sempre são o compromisso com a verdade, a identidade com a independência do Brasil e a irreverência de seus abnegados editores e repórteres.

As manhãs de sábado em São Carlos eram assim: saíamos todos de casa para levar, na praça, toda a verdade em oito páginas, os fatos e análises que a velha imprensa temia revelar ao grande público. Eram os tempos finais da ditadura que assolava o país, que todos e cada um ajudamos a abreviar a sobrevida.

Silvério Crestana, Mauro Mengatti e Clóvis Figueiredo

Naqueles idos não havia internet para armazenar histórias e difundir notícias nas redes sociais. Hoje pesquisar sobre as contas secretas na Suíça traz mais de 2,5 milhões de resultados e muitas das personagens da lava-jato e das milícias. No entanto, as contas dos proeminentes do regime de então eram ainda mais secretas e protegidas de qualquer revelação pelas armas.

Quanto maior a tempestade, mais alto voa o albatroz

Foi com uma chamada assim que o destino das propinas foi tornado público. A histórica edição provocou a última das condenações pela Lei de Segurança Nacional, que ao lixo da história foi com o advento da Constituição cidadã poucos anos depois.

Outra edição que marcou época veio em 1982. O desfolhar da Hora do Povo de um lado da plenária do Congresso da UNE, em Piracicaba, ao mesmo tempo que da Tribuna Operária de igual manchete, selou a unidade nacional dos estudantes pela volta do Estado Democrático de Direito.

Sementes que hoje mostram seus frutos, quando novamente a democracia é ameaçada pelos milicianos de hoje. A certeza histórica é que o Brasil pode, como sempre, contar com o primeiro jornal impresso em cores no país para conhecer a verdade por trás da maquiagem que tenta enlindar os fascistas e ultraliberais conspurcadores a nacionalidade e a humanidade.

Convivi com Claudio Campos, o fundador do jornal, até que este completou a sua vida e nos legou uma obra digna dos grandes brasileiros. Por essas e outras razões, é ele o quarto dos próceres que ilustram a capa do nosso blogue e inspiram gerações de brasileiros na luta por um Pátria livre e o destravamento do caminho para o socialismo.

Até porque, como ele ensinava, é inevitável que a realidade se transforme porque é inevitável que os homens lutem.

Estas são algumas das experiências deste autor. A história oficial pode ser conferida no sítio do jornal!

Reproduzido na Hora do Povo.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: