Dois caminhos para o Brasil

Recente classificação dos países de Ranaldi e Milanovic combinou a composição e a concentração da renda dos cidadãos, mostrada no gráfico ao lado. Em Variedades do Capitalismo, os conceitos foram trazidos ao público pelo economista e professor Fernando Nogueira da Costa.

Como se intui, não há economias de razoável distribuição da renda que não privilegiem o trabalho (setor noroeste do gráfico) nem de exacerbada concentração de propriedade produtiva que apresente razoável distribuição de renda (setor sudeste).

O Brasil encontra-se no vértice dos eixos desenhados por este autor, um país cujo PIB provém de trabalho e capital em porções semelhantes, mas entrega o resultado do esforço coletivo muito mais a este do que àquele. É o que os teóricos chamam de “capitalismo liberal”. Minora a injustiça patente redistribuir a renda entre os nacionais.

Para isso, apresentam-se dois sentidos principais: em direção à Eslovênia, que preserva o equilíbrio capital-trabalho com igualdade social, e à Eslováquia, que privilegia amplamente a renda do trabalho, com distribuição equânime aos produtores, o setor do “capitalismo homoplástico”.

O primeiro, mais imediato, pode ser trilhado com Justiça tributária, cobrando encargos de que ganha e acumula mais e aliviando a carga atual que pesa principalmente sobre os ombros dos mais pobres, incidindo muito mais sobre o consumo do que sobre a renda e a propriedade.

A meta de baixos Gini e IFC, por sua vez, é mais permanente e exige um Estado submisso ao interesse nacional. O contínuo crescimento salarial chinês, por exemplo, mostra as vantagens de o Brasil orientar-se nesse eixo.

Cabe oportunamente aprofundar sobre a origem do capital em terras brasileiras, que outra não é que o trabalho da nossa gente. Mas enquanto isso, a fome tem pressa e a calamidade pública exige urgência nos mecanismos redistributivos.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “Dois caminhos para o Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: