Jetsons

A animação favorita da minha infância, nos 1960, certamente foi o desenho da Hanna Barbera: Os Jetsons. Quando visitei a Universal, no final do século passado, foi com Jorge que tirei uma foto, hoje perdida em algum canto do mundo do papel…

Outras séries de TV como Nacional Kid, Flinstones e o nosso querido Vigilante Rodoviário (e seu cachorro Lobo) não cativaram tanto a minha jovem atenção como a família do futuro.

Não que eu sentisse qualquer apreço pela relação desidiosa com o trabalho de Jorge Jetson, o adulto que sofria até o fim do expediente com a exploração do seu patrão e adorava o ócio da tarde. O que me encantava era o robô Rose, que cuidava das tarefas domésticas – da limpeza às refeições e até das lições das crianças -, liberando amplo tempo dos personagens para a produção intelectual e os relacionamentos à distância.

Sim, de consultas médicas a aulas de ginástica e práticas de meditação, de conversas com amigos e parentes a terapia remota, todo o tipo de impensáveis lives permeava os episódios animados. E, por certo, nada mais futurista do que o trabalho em casa…

Meu sonho infantil era ver funcionar no mundo em que vivemos a máquina de vestir, o carro aéreo com piloto automático e garagem no andar do apartamento, facilidades que permitissem a todos, sem exceção, uma vida dedicada às artes, ao esporte e ao lazer.

É claro que os anos me ensinaram que no meio do caminho tem a ciência e a engenharia, tem a engenharia e a ciência no meio do caminho, mas nada que não esteja ao alcance da espécie. A tecnologia de processamento e transmissão de dados hoje já armazena o conhecimento coligido por milhares de gerações e conecta as pessoas ao redor do globo todo. Pouco falta para a Rose Jetson cuidar do trabalho doméstico braçal…

Os anos me ensinaram que as mais humanas das nossas características são a consciência e o trabalho. Assim, os anos me fizeram preferir a fórmula de futuro de Gene Rodenberry e suas Jornadas nas Estrelas: um mundo sem dinheiro em que as pessoas façam sempre mais e melhor como razão de sua felicidade.

Mas nem por isso desisti de, um dia, literalmente dirigir pelo espaço urbano.

Leia também: História dos Quadrinhos.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: