Todos pelos Correios

Quem é do século passado certamente lembrará que os Correios Brasileiros já dividiam com os Bombeiros o reconhecimento popular como instituição mais confiável do Brasil.

Não é sem razão. 91% dos municípios brasileiros são atendidos pelos cem mil funcionários da estatal, dos quais 57 mil são carteiros. São mais de 11 mil agências e 25 mil veículos espalhados pelo país, além de sete linhas aéreas conectando os brasileiros e visitantes em todos os rincões deste país continental.

Para falar da cobiça internacional por esse patrimônio construído por gerações, Douglas Martins e Rodrigo Bertolino trouxeram ao seu Jornal da Manhã da RBA Litoral o agente postal Marcio Farina, dirigente da categoria no Guarujá, e o economista José Pascoal Vaz, de Santos.

O apresentador recordou recente entrevista com o Senador Roberto Requião, em que o parlamentar associava as privatizações a um processo de recolonização do Brasil. E lançou a pergunta: se a missão dos Correios envolve até a segurança nacional, por que o desejo oficial de privatizar?

Marcio Carteiro, como é conhecido o líder da categoria, destacou que “Nossos Correios” é uma empresa lucrativa e tecnologicamente avançada, mas que carece de investimento em mão de obra e direção comprometida com seu imenso papel social. De remédios a móveis, de urnas eletrônicas a água, todos os dias são entregues 1 milhão de encomendas, muitas vezes em socorro aos atingidos pela pandemia e outros desastres naturais.

Com tarifas das mais baratas do mundo e eficiência que também ocupa liderança internacional. Farina lembrou ainda que os Correios cumprem sua função de Estado sem qualquer recurso aportado pelo Tesouro Nacional, antes o contrário. De 30 experiências de privatização no exterior, dois terços estão sendo revertidas.

Pascoal lembrou que, se o algoritmo de fixação de preços é preciso, os parâmetros nem sempre correspondem à realidade. Lembrou do exemplo da Usiminas e da Vale. Aquela custou 20% de avaliações razoavelmente conservadoras e esta foi vendida pelo lucro de um ano!

O que dizer dos 18 bilhões de preço para os Correios? Certamente, segundo o economista, ativos intangíveis como a sua força de trabalho que conhece a nossa gente e a inteligência logística da empresa, formulada pelos funcionários brasileiros, não estão computados no preço. Nem a segurança das informações transitadas no sistema.

Como no saneamento ambiental, os interessados querem pagar pouco e operar só as praças lucrativas, de preferência com as tarifas que praticam em outros cantos do mundo.

Um dos pretendentes promete até usar drones para fazer as entregas. Se a tecnologia existe, nós podemos usa-la; mas sem jamais desumanizar a troca de informações e mercadorias tão importante para a imensa Nação que estamos a construir.

Leia mais em Todos pelos Correios e neste blogue. Diga não à Privataria!

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: