A engenharia e o bem público

Mais uma vez o Centro Democrático dos Engenheiros produziu interessante conhecimento, ao trazer o presidente da Academia Paulista de Direito, Desembargador da Justiça paulista Alfredo Attié.

Em nome do CDE, Luiz Proost referiu-se a artigo seu na APD e definiu a engenharia como a produção de soluções objetivas aos problemas da vida, com economia e segurança. Engenhar é compreender e gerir o ambiente, criando melhores condições de vida para todos. O engenheiro é, antes de tudo, um agente da transformação.

Eng. Luiz Proost

Attié discorreu sobre a engenharia no espaço público. Também filósofo e historiador, o professor resgatou a milenar sabedoria aristotélica para diferenciar o ambiente público – a cidade – do privado, aquilo que hoje chamamos de lar. Neste predomina o poder econômico junto à família e despótico em relação aos escravos e naquele o político, em relação aos cidadãos, e real, impositivo sobre todos.

Dr. Alfredo Attié

Também em duas categorias dividia-se a atividade humana: de um lado a discursiva e decisória (práxis) e, de outro, a produtiva ou poética, aquela de agir para criar e acrescentar à Natureza.

Com a Revolução Industrial e a construção do Estado moderno, muito do que era privado tomou o espaço público, destacadamente a economia. Se nas antigas pólis gregas as obras de engenharia concentravam-se na esfera privada, mormente na construção de centros de culto – as assembleias eram realizadas em praça nua -, contemporaneamente ganhou o espaço público, pois é onde a produção se realiza.

Se a guerra e sua engenharia destrutiva foi o marco do passado, a progressiva conquista da Paz deu ao engenheiro um papel público relevante, de materializar as ideias de melhora da vida no espaço que reúne as pessoas e propicia a sua identidade com seus semelhantes.

Problema candente dos nossos dias, o professor define a corrupção no seu sentido mais amplo: o desvirtuamento da função pública, representada pelo Estado, em nome de interesses privados.

Não obstante os Poderes constituídos, o engenheiro tem papel relevante na solução do problema: quando o espaço público é ocupado por bens e utilidades de uso comum palpáveis, a margem de apropriação privada indevida fica cada vez menor.

Os engenheiros concluíram que o seu ofício é, portanto, típico de Estado, que provê à sociedade fiscalização do bom e seguro uso do espaço público, com vista à segurança e bem estar da população.

O CDE também debateu sobre Questões Econômicas e Desenvolvimento Sinergético.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “A engenharia e o bem público

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: