A “Moscouzinha” brasileira – 1945 a 1954

Quando após muitos anos as urnas se abriram em Santos em 1945, o candidato a presidente lançado pelo Partido Comunista Iedo Fiuzza contava na cidade com 45% dos votos. A combinação da liberdade de organização partidária, a liderança de um sem-número de entidades populares e o prestígio da URSS, que recém hasteara sua bandeira sobre o Reichtag alemão, pondo fim ao conflito mundial com a vitória aliada, conferiam popularidade à legenda comunista, que reuniu mais de meio milhão de votos no país.

Em Santos, durante o biênio em que o partido teve existência legal, sob o comitê municipal funcionavam 4 comitês distritais, 8 comitês democrático-populares e 57 células. A cidade não tinha autonomia para escolher seu próprio prefeito, mas 14 dos 31 vereadores eleitos eram ligados à legenda, exercendo todo ou parte do mandato por outros partidos.

Entre 1945 e 1947 nada menos que 19 comícios, principalmente nos morros e nos bairros operários, tiveram praça na “cidade vermelha”. E um “avanço” sobre a vizinha São Vicente também foi detectado pelo historiador Rodrigo Rodrigues Tavares.

Santos já não era a mesma de 1930, os cenários de então haviam mudado e os personagens do cotidiano operário também. A luta sob as sombras, no entanto, conferiu prestígio aos comunistas locais, que receberam assistência nacional dirigentes como David Capistrano, pai do médico prefeito da cidade anos mais tarde e Carlos Marighela.

Novamente clandestino, o Partido proletário reorganizou-se nos sindicatos, abandonando a política de “apertar os cintos” já em 1948, e nas associações populares de moradores e trabalhadores que, pouco a pouco, foram sendo fechados pela Polícia Marítima, cujo corpo miliciano era conhecido como “brutamontes de Ademar [de Barros, governador de São Paulo]”.

Tavares conclui a obra explicando que a história não termina e novas cenas cotidianas viriam a povoar Santos após a morte de Getúlio. Se muitos comunistas achavam o líder trabalhista vinculado ao capital estrangeiro, a comoção popular que se seguir ao sacrifício da própria vida.

Um de seus mais acerbos críticos até então, o comunista Bernardo de Abreu Madeira, leu a carta-testamento e conduziu o minuto de silêncio em homenagem póstuma a Vargas que, além da CLT, havia legado a siderurgia e a Petrobras ao povo brasileiro, cujos reflexos vieram a compor o novo cenário operário da Baixada Santista, com a Cosipa e a Refinaria Presidente Bernardes.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, conselheiro da Casa do Povo, EngD, CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

3 comentários em “A “Moscouzinha” brasileira – 1945 a 1954

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: