2ª onda?

Uma semana após a flexibilização “laranja” no Estado de São Paulo, a ocupação de leitos de UTI segue pouco abaixo de 70%. A contaminação, no entanto, cresceu 26% em sete dias, mais do que na relativamente estável semana anterior:

A estabilidade da marcha letal do vírus pode ser explicada pelo comportamento popular diante da flexibilização da quarentena:

No Estado como um todo, a metade dos cidadãos manteve-se em contato social, índice semelhante ao da capital paulista (à esquerda, abaixo) e da Baixada Santista. Nesses dois pólos de foco viral os resultados da semana também não foram diferentes do período anterior – as curvas continuaram apontando para o alto.

A linha contínua representa a média móvel de 7 dias
Fonte: Seade

Enquanto a Nova Zelândia só retomou o convívio social após cinco semanas sem qualquer nova internação, no Brasil a contaminação progride, mesmo em queda, à taxa de 4% ao dia, o dobro do mundo. Se há, como verifica a Folha de São Paulo, o risco de uma segunda onda em outros países, o que dizer da nossa vizinhança?

Reproduzido na Baixada de Fato.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

2 comentários em “2ª onda?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: