A defesa da vida, o ajuste fiscal e o Estado nacional

O canal Sou + DF brindou a audiência com rico debate sobre o papel do Estado e do serviço público na defesa da vida e dos direitos da cidadania, inscritos na Constituição da República de 1988, não por acaso conhecida no Brasil como cidadã.

Dirigentes sindicais dos servidores públicos, o economista Flauzino Antunes (Economistas e CGTB) e os filósofos Rudinei Marques (Fonacate e Unacon) e João Paulo Ribeiro (Fasubra e CTB) conversaram sobre os efeitos deletérios sobre a vida dos brasileiros do ajuste fiscal em curso.

Antunes resgatou o papel do Estado nacional brasileiro construído no hemisséculo inaugurado com a Revolução de 1930. A industrialização, o investimento público em capital de base, o domínio da tecnologia e a regulação trabalhista permitiram importante alavancagem da economia no Brasil. A transferência à propriedade estrangeira das empresas nacionais, a reprimarização da economia, os juros altos e a flexibilização de direitos adotada desde os anos 1980 exacerbou a dependência externa e trouxe dezenas de milhões ao desemprego e subocupação, com crescimento pífio no final da última década e grave depressão econômica em plena pandemia.

Ao invés de enfrentar as crises gêmeas com base na experiência histórica e na ciência, o governo ofereceu pífia ajuda aos trabalhadores (aumentada pelo Congresso Nacional) e aos Estados e Municípios, colocando a todos diante do dilema entre a doença e a fome, ambos mortais. Às empresas, também pouca ajuda foi e é dada pelas autoridades federais. Atrasou as vacinas e travou o serviço público, com o teto de gastos, a regra de ouro e a agora EC nº 109, sem contar a iminente ameaça de reforma administrativa.

João Paulo lembrou que o Estado é instrumento da classe dominante e hoje privilegia o lucro dos de fora do país em detrimento da prestação social a que foi concebido. As reformas trabalhista e previdenciária não trouxeram os investimentos e empregos prometidos, ao contrário enfraqueceram o mercado interno e aumentaram a miséria no país. O dirigente dos servidores das Universidades criticou a tentativa de captura pelo capital do Estado, que unicamente ao bem público deve servir.

Rudinei citou os estudos da Cepal sobre a adoção do ultraliberalismo no Brasil, adotado sem peio por Bolsonaro e Guedes, deixará um rastro de destruição que custará muitos anos para reconstruir. A atitude predatória do capital financeiro vem sendo facilitada não somente pelo governo, mas pela adoção de tecnologias da informação que aceleram a crise no Brasil.

Para o auditor de finanças e controle, a reforma da Constituição – não se trata de medida emergencial, mas permanente – não pode ser discutida pelo Congresso em duas ou três semanas e congelar salários por quinze anos. Os prejuízos ao serviço público não têm outra mira do que transferir ao lucro privado tudo o que for possível, deixando a Nação ao léu.

Flauzino resumiu, à guisa de conclusão:

  1. O servidor é a corrente que leva o serviço público ao cidadão;
  2. Vacinas para novamente estarmos ombro-a-ombro na defesa do Brasil.

Vale a pena ver de novo a íntegra.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “A defesa da vida, o ajuste fiscal e o Estado nacional

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: