Estado democrático produtor e distribuidor de riqueza

A Pública Central do Servidor trouxe o pensador das Nações Unidas Ladislau Dowbor para uma didática aula de economia. A democracia politica, afirmou, deve ser precedida da democracia econômica.

O ponto central trazido pelo professor foi o deslocamento da acumulação capitalista da produção para as finanças. Apenas um dos 206 bilionários brasileiros ganhou em 2018, em plena estagnação econômica, R$ 20 bilhões, aumentando sua fortuna pessoal para R$ 95 bilhões. Sua profissão? Banqueiro.

Se na França juros acima de 13% anuais são proibidos por lei, as pessoas no Brasil pagam até quatro vezes isso por um financiamento de uma utilidade doméstica.

O Constituinte tentou civilizar as taxas, mas o centro do Poder manteve-se no sistema financeiro e as deixou livre para superexplorar a camada mais pobre da população.

Dowbor entende mais importante para onde vai o dinheiro do que a sua origem: na base da sociedade é dinamizador da economia, gera consumo, emprego, renda e impostos; no sistema financeiro fica empoçado, para emprestar a expressão do Ministro da Economia.

Da sua experiência internacional, o economista trouxe um contraponto à forma como o Brasil opera a concentração de renda: na Alemanha, a poupança popular fica essencialmente depositada em Caixas Municipais que, por seu lado, financiam projetos de interesse local; por outro lado, a arrecadação tributária, superior à brasileira, é dirigida em 40% às cidades, que igualmente prestam serviços e realizam obras no interesse imediato do contribuinte.

A tributação também pode compelir os muitos ricos a migrarem da especulação para algo mais útil. No Brasil, por exemplo, as terras agriculturáveis sem plantio equivalem a cinco vezes o território italiano. Igualmente, constranger a especulação financeira também pode ajudar na retomada da atividade industrial no país.

Dowbor concluiu explicando que o conhecimento é uma riqueza que também deve ser compartilhada. Os chineses bonificam os inventores para depois liberar o uso das novidades a toda a cadeia econômica do país. E deixou três diretrizes para o Brasil:

  1. Renda básica universal, pois a ninguém pode faltar o indispensável;
  2. Redução da jornada de trabalho, para que todos possam trabalhar; e
  3. Retomada das politicas públicas de proteção social, como renda indireta universal.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: