Uivam ventos

Há 103 anos nascia em Varsóvia José Aron Sendacz, um Justo, um Poeta. Chegado ao Brasil em 1930, insurgia-se ainda antes dos vinte anos contra o “clamor de guerra” que assombrava o mundo então.

Em homenagem, mais uma obra que Hugueta Sendacz traduziu do ídiche para perenizar o seu legado. Uivam Ventos data de 28.5.1938.

Dele também, entre muitos poemas, Mocinha, Ao teu encontro vou, oh dia!, O navio singra, Estou rindo! e 50 anos da abolição da escravatura.

Mais cultura

Uivam ventos e insuflam

No meu coração um fogo ardente,

Quando fora há o chamamento pela destruição,

Daquilo que amo e prezo.

Quando lá fora o vento espalha pelo mundo um clamor de guerra,

E o trompete é o capital,

Que chama a mim, o trabalhador, a mim, pessoa,

Daqui e de lá,

Para a guerra e o assassinato,

Quero proferir minha palavra:

“Não!

Não, eu não irei!”

Não matarei os meus irmãos de qualquer outro país.

Estendo-lhes minha mão.

E vós… sabeis:

Se colocardes um fuzil sobre meu ombro,

Minha mão cerrará os punhos,

Levantarei bem alto uma bandeira vermelha,

E com ela marcharei.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, conselheiro da Casa do Povo, CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “Uivam ventos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: