Uivam ventos

Há 103 anos nascia em Varsóvia José Aron Sendacz, um Justo, um Poeta. Chegado ao Brasil em 1930, insurgia-se ainda antes dos vinte anos contra o “clamor de guerra” que assombrava o mundo então.

Em homenagem, mais uma obra que Hugueta Sendacz traduziu do ídiche para perenizar o seu legado. Uivam Ventos data de 28.5.1938.

Dele também, entre muitos poemas, Mocinha, Ao teu encontro vou, oh dia!, O navio singra, Estou rindo! e 50 anos da abolição da escravatura.

Mais cultura

Uivam ventos e insuflam

No meu coração um fogo ardente,

Quando fora há o chamamento pela destruição,

Daquilo que amo e prezo.

Quando lá fora o vento espalha pelo mundo um clamor de guerra,

E o trompete é o capital,

Que chama a mim, o trabalhador, a mim, pessoa,

Daqui e de lá,

Para a guerra e o assassinato,

Quero proferir minha palavra:

“Não!

Não, eu não irei!”

Não matarei os meus irmãos de qualquer outro país.

Estendo-lhes minha mão.

E vós… sabeis:

Se colocardes um fuzil sobre meu ombro,

Minha mão cerrará os punhos,

Levantarei bem alto uma bandeira vermelha,

E com ela marcharei.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: