Mobilidade urbana de baixo carbono

O Ministério de Desenvolvimento Regional concluiu, em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento, estudo de cinco anos com vista à transição da mobilidade urbana no Brasil à condição de zero emissão.

Do projeto, seis cadernos conceituam e instruem as Administrações para o processo, fundamental à preservação da vida no planeta.

De acordo com a definição legal trazida pelo MDR, “mobilidade urbana é a condição em que se realizam os deslocamentos de pessoas e cargas no espaço urbano”. Uma mobilidade urbana adequada contribui para a redução:

  1. dos níveis de congestionamento de tráfego;
  2. do tempo de deslocamento;
  3. do número de acidentes viários;
  4. do custo dos deslocamentos;
  5. da emissão de gases de efeito estufa (GEE); e
  6. de poluentes atmosféricos, ocasionando a melhoria da qualidade de vida da população.

O caderno introdutório conceitua ainda mobilidade urbana sustentável como o resultado de um conjunto de políticas públicas de transporte, integrado ao planejamento urbano, que visa proporcionar o acesso amplo e democrático ao espaço urbano e às oportunidades equilibrando aspectos sociais, econômicos, ambientais e culturais; Mobilidade Urbana de Baixo Carbono como a realização de deslocamentos de pessoas e cargas nas cidades com o menor nível possível de emissões de GEE; e Mobilidade Urbana Zero Emissão como o deslocamento de pessoas e cargas sem a emissão de GEE ou de poluentes atmosféricos no uso final.

Além de dois cadernos de gestão – relativos à demanda da mobilidade e à informação -, três modalidades ecológica e socialmente avançadas foram apresentadas:

No CRT de Zero Emissão, o MDR ilustra as modalidades de transporte que não poluem, em figura de elaboração própria (2020):

Fonte: elaboração própria do MDR (2020), in Zero Emissão

Segundo o Acordo de Paris, compete ao Brasil reduzir 37% das suas emissões até 2025, com vista a atingir, em 2030, os níveis de 2005. O setor de transportes responde por quase 14% do total das emissões nacionais. Além de contribuir para a meta, o MDR cita como vantagens “impactos positivos no meio ambiente, na qualidade de vida e na saúde pública da população, em especial para a população vulnerável que enfrenta impactos desproporcionais à saúde causados pelas mudanças climáticas e pela poluição ambiental”.

Em um país com vastas manchas urbanas, o que pode ser feito de imediato? “Transporte ativo, a mobilidade elétrica, a gestão da mobilidade, a logística sustentável e práticas como eco-driving e teleatividades são ações eficazes no processo de transição”, aponta o MDR.

Confira também a segunda parte: Eletromobilidade e Transporte Viário.

Siglas: MDR – Ministério de Desenvolvimento Regional; BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento; GEE – gases de efeito estufa.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “Mobilidade urbana de baixo carbono

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: