Se a situação é de calamidade pública, por que a PEC emergencial não mexe nos juros, mas corta serviços públicos?

Enquanto os países desenvolvidos trabalham com 120% de suas receitas para combater as crises sanitária e econômica, e mesmo os emergentes se acreditam de 105%, o Brasil vai na contramão buscando limitar seus gastos em 95%, permitindo ao governante acionar cortes desde os 90% dos impostos arrecadados. Cortes sobre os direitos sociais, mas não sobre as despesas financeiras.

A pretensa redução dos serviços prestados tem danosas consequências sociais e econômicas para a nossa gente.

Quem conta mais é o Apito Brasil, do Sinal:

“O senador Márcio Bittar (MDB/AC) apresentou nesta terça-feira, 23 de fevereiro, substitutivo à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 186/2019, conhecida como PEC Emergencial. O texto, que pode ser votado ainda nesta semana no Plenário do Senado Federal, estabelece cortes de despesas no setor público sob a justificativa de “reequilíbrio fiscal”.

Na prática, a matéria se vale da crise causada pela pandemia da Covid-19 para reforçar no texto constitucional a abominável política de arrocho sobre os servidores e o serviço público, na União, estados e municípios. Congelamento de salários, progressões, promoções e concursos são alguns dos “gatilhos” a serem acionados, caso a despesa corrente alcance 95% da receita corrente. Conforme o texto, as mesmas medidas poderão ser adotadas, caso haja decretação de estado de calamidade pública de âmbito nacional.

O substitutivo é tema de nota técnica do consultor legislativo Luiz Alberto dos Santos. No documento, o especialista destaca o caráter de “desvinculação, desobrigação e desindexação” da PEC 186/2019. Para ele, o objetivo é que “o Estado se exonere de obrigações” sem, no entanto, “atentar para o real fundamento da ação governamental, que é assegurar bens e serviços públicos para a sociedade”.

Ainda na opinião do consultor legislativo, o acréscimo de autorização para um novo e indispensável auxílio emergencial é “oportunista” e a matéria se vale de um momento de “comoção social” para introduzir “mecanismos drásticos de congelamento”. A nota técnica alerta, ainda, para os possíveis riscos ao financiamento de políticas públicas voltadas para as áreas saúde e educação.

“Assim, a PEC 186, na forma de seu substitutivo, não merece aprovação, sendo necessário o seu emendamento em plenário e aprofundamento da discussão, de forma a que, se aprovada, sejam mantidos apenas dispositivos relativos ao auxílio emergencial em situação de calamidade, sem as “contrapartidas” fiscalistas e que vulneram direitos sociais”, conclui Luiz Alberto.”

A PEC emergencial reduz de serviços públicos a investimentos, desvincula dinheiro da saúde e da educação, diminui o efetivo funcional do Estado, corta atendimento a direitos do povo de muitas maneiras.

Mas não mexe nos juros.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: