Qual a Agenda de Reformas que o Brasil precisa para retomar o Desenvolvimento Econômico? Primeira Parte

Quando o Congresso Nacional atribui ao Banco Central do Brasil responsabilidade em “fomentar o pleno emprego” – dos trabalhadores e demais forças produtivas -, se antevê a dificuldade de faze-lo se as reformas de Estado em andamento, que visam reduzir o seu papel na economia, não mudarem o sentido para ajudar no crescimento econômico.
As etapas trabalhista, previdenciária e do teto de gastos não propiciaram a prometida explosão do emprego, do consumo e do bem estar dos brasileiros, e no Congresso outras apontam também ao fundo do poço, como bem fundamenta Oreiro.
Só poderiam cumprir o desejado se o gasto privado substituísse o gasto público contido, uma impossibilidade prática já tratada pelo professores Belluzzo e Ricardo Carneiro.

José Luis Oreiro

José Luis Oreiro**

        

    A sociedade Brasileira enfrenta uma profunda crise econômica, política, social e civilizacional desde 2013. Durante os 10 anos anteriores, a combinação entre um ambiente externo extremamente favorável, na forma de rápido crescimento da economia mundial e elevação dos preços das commodities, do aumento do poder de compra das classes mais desfavorecidas devido ao aumento real do salário mínimo e dos programas de assistência social e do aumento do crédito bancário como proporção do PIB permitiu uma aceleração do crescimento econômico (Ver Figura 1), cuja média móvel decenal alcança o pico de 4,04% a.a precisamente em 2013, uma aumento significativo com respeito das duas décadas anteriores. A partir de 2013, contudo, o ritmo de crescimento da economia brasileira (medido pela média móvel decenal) sofre um processo de desaceleração contínua, alcançando a marca de 1,26% a.a. em 2018, o nível mais baixo para a série iniciada…

Ver o post original 1.799 mais palavras

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: