Sem servidor não há serviço público

A sessão vespertina do 6º Congresso do Fonacate tratou da avaliação de desempenho da gestão pública e a estabilidade do servidor como garantia da integridade do atendimento à sociedade.

O painel matinal tratou do governo digital.

Marcelino Rodrigues, da Anafe e Fonacate

O representante dos advogados públicos destacou a importância dos serviços públicos, mais relevantes ainda nos tempos de pandemia. O seu aprimoramento depende também da perenidade das escolas de gestão.

Wagner Lenhart
Eliane Neiva
Luiz Alberto dos Santos

O painel foi aberto com a palavra do Secretário de Gestão de Pessoas do Ministério da Economia. Lenhart historiou que seu vínculo temporário com o serviço público deveu-se à vontade de servir à sociedade. Avaliando que não há serviço público sem servidor público, apresentou três pilares da avaliação dos agentes que atendem a população: reconhecimento individual, oportunidade de desenvolvimento pessoal e responsabilização de quem não entregar o esperado.

A acadêmica Eliane Neiva, pesquisadora da UNB, não concorda: o que deve nortear a avaliação é o serviço, mais que o indivíduo. A cooperação sempre é mais produtiva que a competição, tanto as tarefas como os resultados são interdependentes entre os vários funcionários do Estado. O consultor do Senado Luiz Alberto foi ainda mais enfático: o que se apresenta nos projetos de governo tem ênfase na punição, não na premiação.

O moderador Marcelino conclamou o Secretário à levar à sociedade o que explicou no Seminário, assegurando que o Fonacate está atento e mobilizado para evitar que a Reforma Administrativa prospere sem ouvir os servidores que entendem do riscado e constroem diuturnamente o Estado Nacional.

Rodrigo Spada, da Febrafite e Fonacate

Após o intervalo, foi a vez do fiscal de rendas paulista conduzir as discussões sobre a estabilidade no serviço público. Ele lembrou que o atendimento em saúde, educação, justiça e segurança deve ser universal, público.

Alketa Peci
Amarildo Baesso
José Celso Cardoso

Coube à professora Alketa, da FGV, discorrer sobre o estatuto da estabilidade como fundamental para evitar a captura do agente e do serviço públicos pelo mercado, políticos ou mesmo interesses corporativos. Como lembrou o também professor Amarildo, a estabilidade é o antídoto contra o coronelismo. Ele complementou que a gestão – em razão da lei – cobra a perfeição nos processos, não a eficácia do serviço público prestado à sociedade.

O líder dos pesquisadores do IPEA, organizador dos Cadernos do Fonacate, trouxe o novo conceito de assédio institucional, correlato à depreciação do próprio Estado e sua prestação social dos deveres inscritos na Constituição da República Federativa do Brasil. A desqualificação dos servidores e o cerceamento ao funcionamento de órgãos públicos pelo alto escalão do governo, além de antirrepublicana e antidemocrática, traz prejuízos severos ao próprio desenvolvimento brasileiro.

Vigilante, Spada concluiu que o governo encontra-se capturado pelos interesses do sistema financeiro, mas que os servidores concentram esforços em cumprir as funções públicas em favor da população.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: