Prevenir, mais que curar

Não contaminar, não deixar contaminar, educar quem contamina

O curso da Natureza tem levado à queda do ritmo de contágio e, com o esforço das equipes de saúde, da quantidade de doentes que vão a óbito por causas correlacionadas ao Covid-19.

Isso não significa que novos milhares de mortes não estejam anunciados para quem não quiser deixar a vida à própria sorte.

Há um esforço global no sentido de buscar prevenir as pessoas ante à nova enfermidade, para que não sofram com a doença nem virem estatística de morte prematura. O próprio governo brasileiro destinou meio bilhão de reais a uma pesquisa inglesa, ao passo que iniciativas regionais têm se associado a outros países em busca da vacina.

A vacina sino-brasileira, em fase final de testes

O resultado, o tempo dirá, embora a aposta federal tenha esbarrado em um efeito colateral fatal, suspensor dos testes no estrangeiro.

O que é certo é que doenças como a paralisia infantil e o sarampo foram, digamos assim, banidas do território nacional pela vacinação em massa de sucessivas gerações. A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) é bastante assertiva sobre as vantagens do Plano Nacional de Imunização. Não resolve vacinar um ou outro, ou mesmo uma região do país, pois as pessoas circulam livremente e o vírus literalmente viaja com elas. O exemplo mais preocupante vem da Europa e sua segunda onda.

Os especialistas não admitem a desobrigação ante à vacinação: o indivíduo contaminante, mais ainda durante a fase assintomática, traz consigo agressão potencial ao direito alheio a uma vida saudável, com riscos crescentes de acordo com o avanço da idade e a existência de outras doenças.

Assim não pensa o senhor Presidente da República.

Recorrente em negar a ciência e os fatos, mandou cancelar a intenção de compra de 46 milhões de doses da mais promissora prevenção até agora alcançada, fruto do esforço conjunto de brasileiros do Instituto Butantã e chineses da Sinovac. Segundo voz corrente, por inomináveis razões necropolíticas e ideológicas.

Das redes sociais

Enquanto a vacina não vem, é preciso usar a máscara e adotar outras atitudes sanitárias sempre que cada um circular em local público e estabelecer qualquer contato social. Um comportamento de respeito ao próximo, especialmente a quem está trabalhando e prestando serviço a milhares de outras pessoas. Conter o contágio sob todas as formas.

No país do lendário Zé Gotinha, há que se cuidar da vida. Não basta dizer “E daí?“.

Mãos à obra livrar o Brasil do vírus, do obscurantismo e da morte prematura.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: