#vaitervacina

Apesar de V. Incompetência…

O combate antiviral deposita esperanças, como as sociedades humanas fazem há mais de um século, na conquista de uma vacina contra a Covid-19 e suas variantes, da mesma forma que existem outras que previnem a poliomielite e o sarampo.

No entanto, a Semana da Pátria só faz acumular insucesso das pouco preparadas autoridades sanitárias do governo federal.

Dias depois de Bolsonaro reafirmar que vacinação não pode ser obrigatória, chega a triste notícia de, pela primeira vez no século 21, o Brasil não ter cumprido a meta de vacinação. Além de sujeitar crianças inocentes ao sofrimento de males como o sarampo, por exemplo, a maledicência traz embutido o risco de surtos e pandemias de viroses que há muito tinham sido extintas em solo brasileiro.

Aqui não se trata de proteger liberdades individuais, mas de um indivíduo tomar uma decisão que prejudica a todos os outros, seus parentes, vizinhos e compatriotas.

Se a necropolítica oficial, além ser de incapaz de encontrar um médico juramentado para encarregar-se do Ministério da Saúde em plena pandemia de 7 dígitos (4 milhões de infectados confirmados), dá vazão a manchetes como a do lado, a notícia seguinte traz mais preocupação.

Há um mês o Presidente da República assinou medida provisória com crédito suplementar de R$ 1,9 bilhão para produzir, na Farmanguinhos, cem milhões de doses de vacinas. Do total, menos de um terço para aparelhar a estatal quanto ao processo produtivo e R$ 1,3 bilhão a título de encomenda tecnológica à AstraZeneca, multinacional britânica proprietária da vacina “de Oxford”. Produto hoje suspenso por reação adversa grave em testes com voluntários no exterior.

Se a contaminação cede passo há duas semanas no Brasil, segue infectando e matando gente desnecessariamente, além de voltar a causar males em países que a julgavam controlada.

Felizmente, o Brasil não apostou todas as fichas em uma única solução. Se o governo federal nos deixou nos fez voltar à “estaca zero”, São Paulo já tem 99% de resposta imunológica com uma das vacinas chinesas e o Paraná avança nos testes com a vacina russa.

Releituras sugeridas: Sem ciência não há futuro e Acabou a pandemia?.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: