100 mil não vão “tocar a vida”

Ministério da Saúde, 7.8.2020

A antiga tradição mosaica reserva o sábado para a celebração da Paz e de uma boa semana. Hoje, uma marca não traz motivo para qualquer comemoração.

Quando as mortes por um mero vírus ganham um zero a mais no Brasil, o Presidente do “E daí?” sugere tocar a vida, benção que não mais albergará cem mil dos nossos.

A luta global pela vacina é renhida, são 281 projetos, seis deles neste país que por primeiro sequenciou o DNA do Covid-19. 38 vacinas já estão em fase clínica de testes, duas delas selecionadas para produção na Fiocruz e no Butantã, dois centros estatais de fabricação de imunobiológicos.

Enquanto o Estado de São Paulo testa a chinesa Coronovac, a opção federal é pela vacina da AstraZeneca, conglomerado anglo-sueco titular do produto de Oxford com faturamento em 2019 superior a USD 24 bilhões.

Um crédito extraordinário de R$ 1,9 bilhão foi determinado pelo Executivo federal para prover a Bio-Farmanguinhos de capacidade produtiva para cem milhões de doses. Do total, R$1,3 bilhão, ou R$ 13 por vacina, integram a “encomenda tecnológica” ao dono da patente inglesa. Apenas 30% da medida provisória fica no Brasil.

O diretor do Instituto Butantã garante que o seu custo não será maior que o da estrutura carioca.

Tudo isso para dezembro ou janeiro. Até lá, há especialistas prevendo o Brasil dobrar o número de mortos até outubro, na contramão do mundo. São hoje quase 800 mil infectados sob acompanhamento no Brasil, potenciais espargidores do vírus.

Cem mil brasileiros já não assistirão a final paulista de futebol de logo mais.

Para “tocar a vida” é preciso o governo fazer muito mais do que está se propondo.

In Memorian de Marcia Kronnenberg Glezer e todas as cem mil vidas precocemente interrompidas. Com informações da Agência Brasil e Ministério da Saúde. Reproduzido na Hora do Povo.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “100 mil não vão “tocar a vida”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: