A conurbação da Baixada Santista

O ex-prefeito paulistano Prestes Maia, autor do Plano de Avenidas da capital paulista, prescreveu em 1947 às cidades da Baixada Santista um plano metropolitano de integração viária.

Destaque-se no projeto do renomado urbanista a malha ferroviária cruzando a Ilha de São Vicente, em tempos anteriores à urbanização da Zona Noroeste, para interligar a Praia Grande então vicentina à área continental santista e ao acesso ao planalto.

Além da relativamente pequena mancha urbana à época, outro ponto chama a atenção: o que hoje conhecemos como Vicente de Carvalho, na Ilha de Santo Amaro, era projetado como Nova Santos. A área continental era praticamente inabitada.

A foto mais recente, de capa do grupo Baixada Santista do facebook, mostra a ocupação total da área insular de Santos e São Vicente, bem como de expressiva porção do Guarujá. À direita se vê o novo município de Bertioga (1991), bem como ao pé da Serra do Mar nota-se a urbe cubatense.

Embora a foto mostre mais as reservas naturais continentais de Baixada, os santistas da área continental se veem desconectados da sede insular do município, servindo-se muitas vezes de serviços públicos dos vizinhos Bertioga e Guarujá.

Frustrado o septuagenário plano de Prestes Maia, a interligação pode ser feita por via marítima, mas o acesso terrestre ainda hoje exige trânsito pelas cidades vizinhas.

Mesmo o VLT metropolitano, do qual só a linha amarela está funcionando, até lá não chega como alternativa de transporte público.

Parte da história das populações de Monte Cabrão, Caiubura e Caroara que, não por coincidência, estabeleceram-se ao longo da Rodovia Prestes Maia, é contada em artigo de 2004 pelo Novo Milênio, em Histórias e Lendas de Santos. Já o plano futurista de desenvolvimento regional pode ser conhecido em Memória Santista.

Prestes Maia

Como desenvolver a região e integrar ainda mais seus moradores à vida metropolitana, sem lhes retirar as belezas naturais, é tema para um próximo artigo.

*Mais sobre a Baixada Santista em Região Metropolitana I e II.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: