Os bárbaros antidesenvolvimentistas

Arte de Otto Dettmer, em Outras Palavras

Márcio Pochmann, em Outras Palavras

Ditadura e neoliberalismo implodiram tradição que se formava: a dos intelectuais orgânicos do Estado, comprometidos com o desenvolvimento nacional. Carreira pública foi trocada por lógica de privatizações, terceirizados e desprezo às maiorias

O Estado brasileiro se encontra contaminado por uma elite instruída de natureza antidesenvolvimentista, capaz de se mover e se legitimar por valores mercantis adotados na relação com o público, na tomada de decisões e no exercício de poder atribuído a especialistas. Mas nem sempre foi assim.

Com a Revolução de 1930, a construção do Estado moderno passou pela revogação, em 1942, do decreto de D. Pedro I que garantia a titulação de doutor aos formados em faculdades. A estruturação de um novo corpo social civil e militar da administração pública se voltou à tarefa de pôr em marcha a nova sociedade urbana e industrial através da centralização administrativa e constituição de carreiras de acesso por concurso a mais de 150 mil funcionários de Estado.

Para isso, destacou-se como peça especial do desenvolvimentismo brasileiro a constituição especial no seio da administração pública federal dos intelectuais orgânicos do Estado.

Na ditadura civil e militar (1964-1985), contudo, o propósito dos intelectuais orgânicos do Estado foi interrompido, pois substituído pela moldagem tecnocrática.

Com a primazia do receituário neoliberal adotado desde os anos 1990, o regime jurídico único para a Administração Pública instituído pela Constituição de 1988 foi por água abaixo. A substituição dos concursos pela terceirização nas atividades consideradas meio à função pública (segurança, transporte, asseio e conservação, secretaria e outros) seguiu a lógica da privatização do setor público estatal. A reforma gerencial do Estado permitiu a crescente presença de organizações não governamentais, bem como a internalização de critérios mercantis nas atividades de serviços públicos civis e militares.

Sob o manto do antidesenvolvimentismo, a mentalidade mercantil se estendeu e dominou postos essenciais de comando dos aparelhos do Estado brasileiro, tendo as “ilhas de excelência” operado cada vez mais autonomamente, como um fim em si mesmas. (+538 palavras, Outras Palavras)

“A elite instruída se encontra contaminada pelo privatismo, autonomismo e entreguismo, destoando dos interesses e das necessidades da maioria da nação.”

Márcio Pochmann é economista e presidiu o IPEA de 2007 a 2012, entre outras funções públicas.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, conselheiro da Casa do Povo, EngD, CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “Os bárbaros antidesenvolvimentistas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: