Superciclo de comódites e os desafios da logística no Brasil (4)

A Fundação FHC realizou interessante debate com foco em comódites e logística no Brasil. A partir do exposto nas três primeiras partes desta série, cabem algumas considerações sobre o seminário, a partir do ponto-de-vista deste autor.

Na sala de debates, registramos um par de perguntas que os convidados não tiveram a oportunidade de se pronunciar a respeito.

Ante à abundante demanda internacional por nossos produtos, e supondo que os compradores o irão transformar em outros de maior valor, inclusive para exporta-los manufaturados ao Brasil, pensamos na conveniência de vender as comódites já transformadas, ao invés de envia-las ao natural.

Do exemplo citado sobre o uso do milho na ração suína chinesa, mais vale embarcá-lo ao exterior apenas debulhado ou já transformado no alimento animal? Interessa importar um trilho de ferrovia fabricado com o minério extraído no país ou moldá-lo nas siderúrgicas pátrias, de preferência exportando, se for o caso, algum excedente?

São situações que se coadunam com a segunda pergunta: ajudaria retomar a indústria nacional para fornecer a infraestrutura não só da produção, mas também da logística relativa às comódites?

Foi lembrado pelos debatedores que o financiamento das linhas e terminais pode ser feita pela atividade do entorno, sempre consideradas as questões urbanas que a organização desses espaços demanda.

Do ponto de vista econômico e do interesse nacional, o que melhor do que industrializar a produção, agregando mais valor às mercadorias e gerando mais empregos, e, ao mesmo tempo, desenvolver indústria baseada nas necessidades da mineração, do cultivo e da movimentação de tudo isso?

Regulação estatal e planejamento, em aliança com o trabalho dos brasileiros, as armas do país para vencer os desafios apresentados e aproveitar as oportunidades de desenvolver o país.

Sentido horário: Júlio Fontana, Sergio Fausto, Frederico Bussinger e José Mendonça de Barros

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

4 comentários em “Superciclo de comódites e os desafios da logística no Brasil (4)

Deixe uma resposta para miguelhsvargas@gmail.com Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: