O aparelhamento do Estado no interesse privado do senhor Jair Messias: Anvisa, as vacinas e a cloroquina

Na CPI, Mandetta deu detalhes da reunião onde apareceu um rascunho de decreto presidencial alterando a bula da cloroquina para dar ares de seriedade ao charlatanismo palaciano

Quando, antes ainda da reforma administrativa, se coloca em posição de mando representantes de interesses menores, como o de produtores de certo remédios, ressalta-se a obediência exclusiva à lei e ao interesse público do servidor admitido em concurso na resolução das questões de Estado.

Mais grave ainda é quando a vida está em jogo, como no caso do coronavírus. O aparelhamento da Anvisa no sentido de facilitar o escoamento da cloroquina, com riscos à saúde dos brasileiros, foi desmascarada pelo médico Mandetta, na CPI, ele próprio ex-titular do Ministério da Saúde. As informações são da Hora do Povo:

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta afirmou nesta terça-feira (4), em depoimento na Comissão parlamentar de inquérito (CPI) da Covid, que Jair Bolsonaro tentou obrigar a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), órgão para o qual indicou um negacionista como ele, a alterar a bula da cloroquina. Bolsonaro queria incluir na bula que a droga era indicada também para o tratamento da Covid-19.

O ex-ministro informou que a intenção de Bolsonaro era que a bula da cloroquina fosse mudada por decreto. “Havia sobre a mesa um papel não timbrado de um decreto presidencial para que fosse sugerido daquela reunião que se mudasse a bula da cloroquina na Anvisa, colocando na bula a indicação da cloroquina para coronavírus”, contou Mandetta.

Ele disse que soube dessa intenção de alterar a bula da cloroquina numa reunião de Bolsonaro com ministros e médicos bolsonaristas, para a qual ele foi chamado. “Eu estive dentro do Palácio do Planalto quando fui informado, após uma reunião, que era para eu subir para o terceiro andar porque tinha lá uma reunião com vários ministros e médicos que iam propor esse negócio de cloroquina, que eu nunca tinha conhecido. Quer dizer, ele tinha esse assessoramento paralelo”, disse o ex-ministro.

Segundo o ex-titular da Saúde, foi o agora presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, que disse a Bolsonaro para não fazer a mudança daquela forma. Seria algo inédito e acabaria desmascarando totalmente o aparelhamento da Anvisa por parte do Palácio do Planalto. Isso não podia acontecer porque este aparelhamento serviria, não só para respaldar a charlatanice da cloroquina, como para retardar a aprovação das vacinas. Logo que as vacinas foram se tornando uma realidade. (+275 palavras, Hora do Povo)

É por essa e [muitas] outras que a reforma administrativa não pode prosperar. Nem o governo Bolsonaro.

#diganãoàreformaadministrativa

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “O aparelhamento do Estado no interesse privado do senhor Jair Messias: Anvisa, as vacinas e a cloroquina

Deixe uma resposta para MIGUEL VARGAS Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: