Teto Furado e Papo-Furado de Economistas “Zé Regrinhas”

“Para se adequar a teto de gastos, orçamento teria tirado R$ 1,82 trilhão de despesas” em 13 anos

Como a propalada “regrinha” do teto de gastos não mexe na despesa financeira, fica o governo impedido de, em razão desta, ampliar os gastos e investimentos públicos para além da inflação. Mesmo que a arrecadação crescesse, digamos, por uma ativação da economia, não seriam os serviços públicos nem a infraestrutura que receberiam os novos recursos, mas a dívida pública.

A credibilidade que se procura dar à “regrinha” fiscal, clamando por uma discussão em busca da estabilidade do ajuste, perde-se ao nada se falar dos anatóicos juros como alternativa à redução de salários e jornada de servidores; ao congelamento de benefícios previdenciários; ou mesmo ao aperto nos gastos com emendas parlamentares.

Se a discussão se reduzir aos gastos não financeiros, vão faltar obras e serviços à sociedade, mas a concentração de capital nas mãos dos rentistas improdutivos seguirá aumentando.

Blog Cidadania & Cultura

Ana Conceição e Sergio Lamucci (Valor, 29/12/2020), como sempre, têm fontes economistas de uma só linha de pensamento. Acham o mainstream ser a principal, mas apenas é o pensamento dominante à força do boicote de quem pensa de maneira divergente.

O risco de não cumprimento do teto de gastos em 2021 e as constantes discussões em torno de sua flexibilização afetam o papel da regra como âncora para as contas públicas, avaliam os economistas Manoel Pires e Bráulio Borges, pesquisadores do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV). Segundo eles, uma discussão sobre a regra fiscal que a torne mais sustentável seria bem-vinda, mas parece difícil isso ocorrer antes das eleições de 2022.

O mais provável, nesse cenário, é haver remendos e flexibilizações pontuais, como o eventual uso de recursos de créditos extraordinários. Poderiam ficar de fora do limite de despesas no ano que vem. Discussões sobre um ajuste…

Ver o post original 1.363 mais palavras

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

2 comentários em “Teto Furado e Papo-Furado de Economistas “Zé Regrinhas”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: