Revolução Tecnológica

Ubiraci Dantas de Oliveira, presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil, trouxe Nilson Araujo de Souza* para explicar porque ainda estamos vivendo a incompleta terceira revolução tecnológica, não cabendo ainda fala em “indústria 4.0”.

O signo de uma revolução tecnológica é o crescimento exponencial da produtividade do trabalho, ensina o professor. Para isso, o domínio de nova matriz energética é essencial. Do contrário, haverá tão somente evolução no aproveitamento das forças produtivas.

Antes da primeira revolução industrial, o avanço da Humanidade devia-se à energia dos seres vivos – humanos entre eles – e ao aproveitamento de forças da Natureza, como os ventos e quedas d’água.

No final do século 18 e início do seguinte, o advento do vapor como fonte energética possibilitou o uso de maquinário propiciador de um crescimento 7.700% na produtividade do trabalho industrial e agrícola, consolidando, principalmente a partir da Inglaterra, o modo de produção capitalista.

O novo salto deu-se cem anos depois, com os motores à explosão movidos a combustíveis fósseis e, principalmente, a geração e distribuição de energia elétrica. Nesse tempo, o pólo econômico hegemônico atravessou o Atlântico e deu passo à fase monopolista do capitalismo, o imperialismo, com os EUA assumindo o controle global do capital financeiro.

O destrutivo evento do final da segunda guerra mostrou ao mundo uma nova fonte de energia – a nuclear -, cujo controle ainda não é pleno até os dias de hoje, daí a incompletude da revolução técnico-científica.

Se as duas precedentes tiveram o condão, seja pela extrema penúria dos tempos da primeira como o movimento migratório do segundo tempo, de absorver a mão-de-obra naturalmente sobrante ante à tecnologia, o mesmo não acontece com esta terceira etapa, em que parece haver massiva substituição de pessoas por sistemas informatizados e máquinas “inteligentes”.

Há décadas a economia arrasta-se com crescimento próximo ao aumento populacional, exceto na China que, em 30 anos, passou de uma fração da economia estadunidense para um patamar superior à aquela. Um país onde o Estado dirige os esforços para aproveitar ao máximo a capacidade dos cidadãos em produzir cada vez mais.

Sem o domínio da energia nuclear nem crescimento exponencial da produtividade, não se pode dizer que os experimentos em inteligência artificial, de uso ainda restrito na produção, já tenham conduzido a espécie humana a outro degrau produtivo, conclui o economista. Aquele onde todos possam trabalhar menos horas e dedicar mais tempo à cultura, ao lazer e à formação das novas gerações, em um mundo de abundância material no qual o próprio dinheiro não mais seja necessário.

Nilson Araujo é pós-doutor em Economia, professor da Unila, diretor das fundações Maurício Grabois e Claudio Campos e preside o Sindicato dos Escritores no Estado de São Paulo.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: