China, 71: viva a amizade sino-brasileira

Quando a 1º de Outubro de 1949 Mao Tsé Tung proclamava a República Popular da China, poucos imaginavam-lhe o brilho que hoje alcançam as suas cinco estrelas.

Já havíamos falado do mundo do trabalho, do planejamento estatal e dos resultados econômicos e sociais alcançados pelos chineses. Assistimos, inclusive, a celebração à amizade sino-brasileira promovida pela embaixada chinesa no Brasil, Unidos pelo Futuro.

Mas foi inédita a apresentação da ópera chinesa de 1965 que nos trouxe a União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo, O Oriente é Vermelho. Com centenas de atores, cantores, instrumentistas e bailarinos, a obra de Wang Ping conta a sofrida e heroica história da China no período compreendido entre o massacre de Xangai e a fundação da República, passando pela construção do Partido Comunista e do Exército Vermelho, a Grande Marcha, a expulsão do invasor japonês e a vitória sobre o Kuomitang entreguista.

Precedeu a exibição da rara peça um rico debate coordenado por Lucas Chen, presidente da UMES-SP e ele próprio filho de imigrante chinês.

Sejamos tudo … oh, produtores

O que a China fez nestas sete décadas para aproximar sua gente do “tudo” cantado na Internacional que fechou o espetáculo é bem conhecido, mas não custa recordar. A maior de suas realizações foi extirpar a miséria medieval ao elevar o país à condição de maior economia do mundo e os salários sempre acima dos ganhos de produtividade do trabalho.

Ainda em 1980 o PIB chinês era uma fração do brasileiro, mas taxas médias de 8% até 2008 e 6% de lá para cá o colocou acima dos hoje decadentes países hegemônicos. Dizem alguns que foi o “mercado” que permitiu esse acelerado crescimento, mas é fácil ver o papel que o Estado cumpriu no processo: no mundo, os países cuja economia é de mercado a produção aumenta pouco mais que a população, uns 2% ao ano. E a diferença?

Não está tudo resolvido por lá. O domínio das novas tecnologias de informação e comunicação está em curso, bem como muitos dos componentes dos aparatos eletrônicos, de uso civil e militar, ainda são importados dos Estados Unidos e outros países. Mas a disciplina do povo chinês aponta para uma solução pacífica dessa questão, cidades inteligentes, com energia limpa e serviços públicos cem por cento digitais já são experimentos por lá, assim como a vacina contra o coronavírus.

Todos os participantes do encontro saudaram a generosidade e a hospitalidade dos chineses, que compartilham seu milenar aprendizado com o resto do mundo. Lições que chamaram os estudantes paulistanos a conhecer, para construir um Brasil pensado com a nossa própria cabeça.

Ao povo chinês as nossas congratulações pelos primeiros de muitos 71 anos da República. Desejamos-lhes longa e profícua vida, que a amizade sino-brasileira seja perene como a terra e infinita como o céu.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “China, 71: viva a amizade sino-brasileira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: