Duas chagas

Em meio à plêiade de avaliações do desenvolvimento da pandemia global e seus efeitos sobre a nossa gente, a difícil arte de filtrar os comentários relevantes, para não dizer do descarte imediato das tristemente famosas fake news, mostra-se um exercício conveniente para estes tempos de isolamento social.

Segundo o portal do governo italiano dedicado ao Nuovo Coronavírus, a média de idade dos que pereceram era de 80 anos até 17 de março – 5 homens com menos de 40 anos foram a óbito. Quase todos os falecidos eram acometidos por doenças pré-existentes.

O isolamento social, em que pese o mau exemplo contrário do próprio Presidente da República, cujos colegas de viagem deram quase todos positivos para a infecção, é medida recomendável, embora inédita no Brasil. Mesmo a gripe suína, dezenas de vezes mais letal, não ensejou o fechamento do comércio e o trabalho em casa como agora.

Especialistas da Saúde Pública que trabalharam com moléstias como a raiva e o ebola trouxeram expectativas que todos seremos contaminados. A contenção visa não a impedir o contágio global, mas distribui-lo ao longo do tempo para que o mesmo ventilador possa ser usado por mais doentes, um de cada vez durante o ciclo da doença.

E por que são duas as chagas a serem dizimadas?

Em Vai comer o quê? noticiamos expectativas otimistas de 25 milhões de desempregados ao fim da crise sanitária. Hoje a XP Investimentos já fala em 45 milhões. Qual a resposta do governo central?

Cortar benefícios, cortar salários, reduzir a jornada dos servidores públicos que estão nas ruas salvando vidas, proibir prefeitos e governadores de cuidar do povo e – pasmem – adiar as eleições municipais, desacatar governos estrangeiros e colocar o país em Estado de Sítio.

Com um comportamento assim paranoico, não é a toa que as janelas aplaudem os heroicos trabalhadores da saúde, da segurança e da distribuição dos alimentos e batem panelas pela abreviação do governo.

PS: a manchete de hoje noticia a suspensão do contrato de trabalho por até quatro meses, sem salário. O autor da ordem? Jair Messias Bolsonaro.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: