Leitos hospitalares no Brasil

O governo federal mantém, desde 10.2005, informações sobre a disponibilidade de leitos hospitalares em território nacional, possibilitando segmentação tanto regional como em relação ao Sistema Único de Saúde (SUS) e oferta fora dele.

Uma síntese pode ser vista na figura:

Importante frisar que o sistema tem gestão compartilhada entre a União, estados, Distrito Federal e municípios.

A oferta de leitos por habitante tem sido constantemente decadente nos 17 anos tabulados pelo SUS. Destaca-se também a relativa estabilidade de leitos totais no primeiro lustro, mas com forte substituição da oferta pública pela privada, que se manteve em ligeira alta, mas sem cobrir a lacuna deixada pelo SUS nos lustros seguintes.

Presume-se que o avanço no final de 2020 deva-se aos hospitais de campanha montados para receber os pacientes da pandemia, sendo retomada a tendência de queda logo a seguir.

Uma radiografia do sistema brasileiro de saúde e a indicação de soluções para a melhora da sua eficiência e eficácia foi feita no final de 2019 pelo Dr. Roberto Bittencourt em “A devastação da Saúde no Brasil e o Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento“. Consultado, hoje, sobre os números do quadro acima, declarou:

Desde a consagração do SUS na CF, em 1988, o sistema público de saúde vem perdendo leitos hospitalares.

É uma política deliberada de favorecimento do setor hospitalar privado.

Que cresce na mesma proporção da diminuição de leitos hospitalares públicos.

Não é atoa que dos 9% do PIB para a saúde, 3,8% vem do setor público e 5,2% vem do setor privado.

A área hospitalar é a mais lucrativa, juntamente, com a área de exames médicos, atraindo investimento dos fundos de investimentos estrangeiros e sofre um processo de fusões e aquisições intenso, no Brasil.

Dados por Unidade da Federação mostram resultado positivo para o Ceará, por exemplo, que tem hoje mais leitos que no início da série: o crescimento superou 10%.

Leia também SUS e os direitos humanos.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, conselheiro da Casa do Povo, EngD, CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: