A cultura contra a barbárie

Quando em 2005 era editado Um Homem do Mundo, prefaciamos a obra de José Aron Sendacz como abaixo. Sendo no Brasil o Dia dos Pais, republicamos em homenagem a todos aqueles que se dedicam a seus filhos serem melhores que si próprios.

Nós, os mais jovens, a quem o Brasil agraciou o português como língua pátria, éramos até ´há pouco leigos no que expressava em idishe o José Sendacz.

Muitas histórias ele nos contou em português, numa versão daquilo que foi criado por nossos ancestrais. Mas a expressão própria, dele mesmo, foi realizada na língua idishe, que considerava como seu idioma natal e ao mesmo tempo multinacional da cultura judaica.

Felizmente nos chegam as brilhantes versões preparadas, com apoios, pela Hugueta Sendacz, sua esposa e incansável lutadora pela perpetuação de sua obra e da cultura em idishe como um todo.

Como são atuais essas obras e proposições de 50, 60 anos atrás. Quanta coisa ali desperta que ainda não foi resolvida. Novos personagens ocupam a história de hoje no lugar dos heróis e vilões que lemos em José Sendacz. É uma história que precisa continuar sendo escrita.

A cultura contra a barbárie.

É como uma corrida de revezamento, onde o bastão que ele nos passa, como seus filhos e como filhos do mundo, deve ser conduzido com a honra da herança recebida, e levado a todos os que conosco convivem e aos que no futuro virão.

Muito se turvou sobre a história recente dos judeus e da humanidade, sobre aquilo que José Sendacz construiu. Ele mesmo expressou suas dúvidas, e nem todas pôde aclará-las ainda em sua existência. O que realmente importa é a crença que nos legou nos mais elevados valores da condição humana, que sempre o manteve de pé. Nos dias de hoje muito já se aclarou, estamos mais seguros que ele trilhou o bom caminho, e, graças à sua contribuição, estamos mais aptos a prosseguir na luta contra o obscurantismo e na construção de um novo Homem e um novo mundo.

A fé em que me criei, na casa de José Sendacz, não arrefeceu em mim nenhum centimetro. Pelo contrário, a cada injustiça que ocorre, ela se fortalece, a sua luta continua. A cada exemplo de realização revolucionária, a certeza cresce, a sua imagem pereniza.

Esse antigo, eterno compromisso com um mundo justo, solidário, humano está agora impresso e à disposição de todos. Grande sorte a nossa.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, conselheiro da Casa do Povo, EngD, CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “A cultura contra a barbárie

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: