O que esperar da Argentina?

É recorrente no Brasil olhar a grama do vizinho. Sergio Fausto e a Fundação FHC tem trazido, ao menos duas vezes ao ano, avaliações sobre como andam as coisas na Argentina. Desta feita, o Senador Martin Lousteau foi o convidado.

Lousteau recordou o avanço de seu país nos tempos de Peron, quando o interesse dos trabalhadores pesava no governo. Desde os anos 1970, no entanto, duas depressões econômicas e outras crises que intermearam os breves períodos de modesto crescimento levaram a pobreza na Argentina de 5% a 45% da população.

Ele mesmo trouxe alguns dados: em 50 anos, a Argentina cresceu sua renda percapita apenas 11%, enquanto o Brasil mais que a duplicou e cada irlandês ficou três e meia vezes mais rico, ambos número modestos frente à Coreia, que multiplicou sua produção por 15 vezes.

Com uma história politica quase bipartidária, tornou-se comum atribuir os problemas ao antecessor, com nova má ação que culminava em mais decadência e nova atribuição de culpas. O Senador mostrou-se convencido da necessidade de um diagnóstico sério nos próximos dois anos, para que o país possa encontrar caminhos sobre bases reais e voltar a crescer.

A essência das sucessivas disputas gira sobre a prioridade entre o equilíbrio externo e o equilíbrio político-social. Mais Estado, mais tributos e câmbio baixo disputam com a tese liberal oposta. Embora a seguridade social seja ampla e traga certa tranquilidade social, informou, hoje os gastos com saúde e educação são 40% do que foram outrora.

Lembro das minhas primeiras visitas ao país portenho, quando a nenhum argentino faltava carne e vinho em todas as refeições e aquecimento em todas as estações.

Assim, deixei uma pergunta não incluída no debate, relativa à semelhança entre a decadência da economia de lá e de cá: que papel joga a dependência externa, adquirida em um período menor que uma vida?

Martin Lousteau é Senador da República Argentina e foi presidente do Banco da Província de Buenos Aires, Ministro de Estado e Embaixador nos EUA.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: