Ciência econômica, por Leda Paulani

Conheci a professora Leda Paulani quando era, ela, Secretaria do Planejamento da Cidade de São Paulo e eu Conselheiro Municipal na Subprefeitura da Sé. Seus predicados recomendaram assistir a Aula Magna proferida aos estudantes de Economia da Universidade Federal do ABC paulista. Além de livre-docente e pós-doutora pela USP, Leda é também jornalista e aficcionada pela filosofia, a ciência das ciências.

Inspirada em Cecília Meirelles e Carlos Drummond de Andrade, a palestrante orientou os jovens alunos a considerarem todas as teorias econômicas, mas sempre tendo em vista a sua conexão com a realidade, que teima em geral a desobedecer os ditames dos modelos construídos fora do mundo real.

Estupefaciente exemplo foi o do prêmio Nobel de Economia que, na entrevista pós-laureação, declarou não ter qualquer ideia sobre a política de juros do governo dos EUA, mas apenas dos conceitos abstratos que ele havia projetado.

Ciente da impossibilidade de um mercado realmente livre, capaz de equilibrar preços segundo o desejo de certas teorias econômicas, Paulani explica que, nos dias atuais, a riqueza financeira cresce três vezes mais rápido que a economia real, vivemos um tempo em que o próprio capital virou mercadoria.

A negação da ciência também na economia parece fazer trazer à baila uma dispensa dos porquês das coisas que acontecem no dia-a-dia, bastaria a afirmação de certos acadêmicos que são assim porque seus modelos garantem que são “verdades”. A mestra lembrou que, se de um lado, as projeções não têm base na vida real, de outro sobre ela podem produzir os mais danosos efeitos, talvez levando milhões ao sofrimento e à morte prematura.

Especialista em economia política que é, Leda Paulani concluiu afirmando que é pobre a teoria que privilegia o movimento de capitais, desprezando o valor do trabalho.

Acima de ambas as categorias, a “mercadoria conhecimento” é a mais valiosa à espécie, capaz de revelar os mecanismos da financeirização econômica que obsta a produção e o bem estar geral.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: