Palavra do Presidente

Markito Duarte*

“Léo Heller – relator especial da ONU no Brasil para questões do “direito à água e esgoto”, é também pesquisador da FIOCRUZ .

Léo afirma que a lei aprovada é uma reforma do Marco Regulatório, aprovado em 2007 pela Lei nº 11.445, e diz : “Essa reforma traz uma maciça privatização do saneamento, jamais vista em qualquer outro país”. De maneira contundente, decreta “ o enfoque (da lei) não foi garantir água e esgoto para todos, mas inserir a iniciativa privada”.

Passo atrás

O Brasil está na contramão da tendência mundial . Nos últimos doze anos, cerca de 300 cidades em todo mundo, optaram pela reestatização do saneamento, em função da má qualidade dos serviços e o alto valor das tarifas. Paris, Berlim, Budapeste e Buenos Aires são algumas dessas cidades.

O saneamento em MANAUS é privado há vinte anos , no entanto a cidade é a quinta pior classificada no ranking dos 100 maiores municípios, segundo o Instituto Trata Brasil.
O estado de TOCANTINS em 1998 privatizou os serviços de 125 cidades pela Odebrecht Ambiental , que em 2010 devolveu 78 que não eram “rentáveis”.

Minha opinião vai ao encontro das entidades e dos cidadãos que defendem o saneamento público.

  • A falada competitividade na iniciativa privada não cabe no saneamento, por se tratar de “monopólio estrutural”, jamais o usuário terá duas redes de água ou esgoto para escolher a que melhor lhe agrada.
  • A empresa privada investirá em áreas carentes que não lhe trarão retorno financeiro? Ou esse investimento continuará sob responsabilidade do Estado?
  • Como ficam as tarifas sociais? Haverá subsídio cruzado para atender os pequenos municípios?

Saneamento é uma interface da saúde e como tal deve ser tratado. Infelizmente a pandemia da Covid nos comprova isso.

É preciso considerar ainda a complexidade de operação do sistema de distribuição de água tratada e coleta e tratamento de esgoto, que em muitos casos são interligados entre municípios limítrofes (vizinhos). Aqui em Santos e na Baixada Santista somos exemplos disso.

Finalizando, mas sem a presunção de encerrar a discussão de tema tão polêmico e complexo, deixo minha pequena contribuição para reflexão de um assunto que ainda teremos muito que falar.

Os futuros prefeitos e vereadores terão imensa responsabilidade, assim como a população que deve discutir e fazer valer o direito indelével à um conjunto de serviços que caracterizam o Saneamento Ambiental, como água, esgoto, drenagem e lixo.

Sem esquecer os trabalhadores do setor, que merecem um capítulo à parte, dado os possíveis prejuízos que advém com a privatização.”

Markito Duarte é vereador suplente em Santos e Secretário Geral da FENATEMA; trabalhou 4 décadas na Sabesp, presidindo o Sindicato dos Urbanitários da Baixada Santista por 14 anos.

Leia mais sobre o novo marco regulatório e a privatização da água no Brasil.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: