Duas questões que mudam o mundo

Uma das virtudes da ciência é elaborar teorias e métodos de pesquisa que antecipem os resultados práticos das ações da Natureza, em especial da sua porção consciente ou, por assim resumir, humana. É delas que devemos nos servir se desejamos absorver com razoável certeza a realidade presente e somar forças no sentido de torna-la melhor e mais sustentável.

Em sua produtiva vida Claudio Campos ofereceu à ciência da sociedade um aprimoramento do que já vinha sendo coligido há mais de cem anos: formulações que se mostram muito úteis nesta quadra da história dos Sapiens.

Diante de cada realidade que as relações de produção entre as pessoas impõe à sociedade, existe um problema fundamental a ser resolvido. Sua superação, como é fácil perceber, exige resolver um problema principal de cada vez.

Sempre que a ordem estabelecida não permite a abundância de bens materiais aos viventes e a sua expressão estética e artística plena – característica distintiva da nossa espécie animal em relação a todas as outras, como afirma o catedrático Walter Neves -, fica fácil determinar o problema fundamental que emperra o avanço da humanidade.

Agora que o capitalismo exacerba a dependência – o setor monopolista depende de cada vez mais concentrar mercados e lucros para ganhar sobrevida, ao mesmo tempo que todos os demais “dependem” da boa vontade do primeiro para alavancar o seu próprio desenvolvimento -, são relações internacionais que precisam ser rompidas e substituídas, sobre suas ruínas, por outro ao mesmo tempo solidário e nacionalmente independente modelo social.

E qual é a questão principal que se nos demanda estes tempos pandêmicos, para avançar na solução da questão fundamental?

A defesa da vida e da democracia no Brasil nos parecem ser as tarefas imediatas, prioritárias na rota da independência nacional.

Claudio Campos

No futuro, como sempre lembrava Claudio, será fácil saber o que devemos fazer agora. Mas precisamos chegar a uma conclusão imediata, pois o vírus não parece disposto a esperar, nem o chefe da família presidencial.

Em uma próxima página filosófica abordaremos a lógica paraconsistente, que pode ser útil a muitos como a mim é.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: