A Semana de 1922, a literatura nacional e a revolução brasileira

Carlos Lopes

Carlos Lopes procura responder à seguinte questão: “o modernismo de 1922 foi um precursor da Revolução Brasileira ou representava uma ideologia antagônica a ela?”
Para estes tempos em que novas importações linguísticas parecem atentar contra a identidade nacional do povo brasileiro, há setenta anos já notava Graciliano Ramos: “ninguém por estas bandas, que me conste, usou na linguagem falada preposições em fim de período. Essa construção inglesa não nos dará nenhum Swift.”
Dez anos antes o próprio Mário de Andrade, participante da Semana, concluía: “eu creio que os modernistas da Semana de Arte Moderna não devemos servir de exemplo a ninguém. Mas podemos servir de lição.”
O autor demonstra seu acordo, acrescentando que o antagonismo ao ser nacional se deu com outros dois eventos do mesmo ano do modernismo paulista, alinhados com a construção da Nação brasileira: a revolta dos 18 do Forte e a fundação do partido comunista no Brasil.

Blog do Renato

Para Fábio Palácio e Adalberto Monteiro

Existe uma sintomática inconsciência na Semana de Arte Moderna de 1922: o Brasil, como nação concreta – como nação que luta para se constituir enquanto tal – parece não existir, ou existir de forma muito tênue, para aqueles artistas e intelectuais que se reuniram em fevereiro daquele ano, no Teatro Municipal da capital paulista.

Uma nação é, antes de tudo, seu povo. Se comparados a Euclides (Os Sertões, de 1902); ou a Simões Lopes Neto (Contos Gauchescos, de 1912); ou a Monteiro Lobato (Urupês, de 1918, Cidades Mortas, de 1919, Negrinha, de 1920); ou Lima Barreto (Recordações do Escrivão Isaías Caminha, de 1909, Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá, de 1919), os participantes da Semana pareciam (e parecerão) habitantes de outro planeta – isto é, de outro país – tal o desligamento em relação à realidade nacional, ou seja, ao povo…

Ver o post original 10.176 mais palavras

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, conselheiro da Casa do Povo, CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: