Militares da democracia

Os militares que disseram não

Silvio Tendler reúne em si as habilidades de historiador e cineasta. Seus documentários retratam a saga de brasileiros viventes nos anos de chumbo, perecidos ou que ficaram para contar a sua história e restabelecer os fatos que muitos de nós em algum grau presenciamos.

Assim foi com os Militares da Democracia, sete milhares de brasileiros em armas que recusaram homiziar seu próprio povo e protagonizar atos terroristas contra a nacionalidade. Por seu compromisso com o Brasil e a missão constitucional das Forças Armadas foram cassados, centenas deles torturados e muitos assassinados.

Em debate de 21 de Abril, Tendler e convidados comentaram a obra cinematográfica e o heroísmo de tantos militares que honraram a farda que vestiam. Como lembrou Paulo Canabrava Filho, editor dos Diálogos do Sul, Tiradentes também foi um militar que disse não à agressão da corte, sendo não só morto como retalhado pela Coroa portuguesa em exemplar retaliação à Rebelião Mineira. Conduta ruim que se repetiu após o golpe de 1964.

No sentido horário: Paulo Canabrava, Silvio Tendler, Ivan Proença, Eleonora de Lucena, Tais Freire e Adriano Diogo

O hoje professor universitário Ivan Proença foi um dos militares que disse não: escalado para um ato terrorista contra a faculdade de Direito no Rio de Janeiro, que se pretendia atribuir a “comunistas”, recusou-se a bombardear estudantes e professores, assassinando inocentes em nome de uma mentira. Mesmo pronunciado à Justiça Militar, nada ficou registrado em sua ficha, uma história que depende de si próprio para ser conhecida de todos.

Um Estado terrorista, assim definiu Eleonora de Lucena o que se constituiu após a deposição de Jango, quando o presidente constitucional encontrava-se em solo pátrio. Muitos dos militares que defendiam a vida e a democracia foram mortos ou tiveram a carreira dilacerada, lembrou a jornalista. A repetição de táticas e estratégias absolutistas nos dias de hoje não terá sido mera coincidência.

O Deputado Estadual paulista Adriano Diogo integrou a Comissão da Verdade e relatou não só como seus algozes o sequestraram ainda em 1963, como também a sórdida trama do Palácio do Planalto que objetivava explodir o Riocentro em 1971, lotado de gente reunida para um show musical.

Tendler contou à audiência a história do filme: tudo começou quando embarcou em um táxi no Galeão e o motorista se apresentou como ex-marinheiro, banido da Esquadra pelo simples fato de ter participado de reunião comemorativa do segundo aniversário da associação dos praças, ainda em tempos democráticos de março de 1964.

Silvio fez sua a missão de contar a História do Brasil do ponto de vista dos patriotas que preferiram a honra e os princípios republicanos à sujeira dos porões e resistiram de armas e livros na mão contra um obscurantismo que parece não querer calar-se.

Um filme e um debate indispensáveis para lembrar e não esquecer quem somos e porque nem uma distração pode haver quando o inimigo do Brasil atende pelo nada pomposo nome de fascismo.

Democracia é o pior de todos os regimes políticos, com exceção de todos os demais. Winston Churchill, primeiro-ministro inglês.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: