Holocausto, Nazismo e Negacionismo – parte I

A exemplo de seus colegas da UFPB, que encerraram o ano letivo com o Dr. Carlos Lopes e Pós-modernismo e pauta identitária, acadêmicos da IFSP uniram-se a historiadores do Vale do Paraíba e Litoral Norte paulistas para discutir o negacionismo no contexto do nazismo e do holocausto.

Logo à abertura das exposições, o organizador do canal Debate e Consciência, Ricardo Plaza, sediado no campus Caraguatatuba do Instituto Federal, trouxe o depoimento de seu orientador de mestrado e doutorado na USP Iuda Goldman, nascido na Polônia em 1932 e chegado no Brasil quatro anos depois.

O veterano titular do Instituto de Física da Universidade de São Paulo contou da influência da Revolução Russa sobre os corações e mentes sobre as minorias perseguidas na Polônia e outros países, entre os quais os judeus; seu pai, proprietário de uma marcenaria, foi fichado como “subversivo” e veio ao Brasil, via Londres, trazendo em seguida a família e se estabelecendo como fabricantes de casacos para senhoras. Aprendeu as primeiras letras com a sua culta mãe e chegou ao ápice da física nuclear por aqui, onde o acesso à universidade pública não lhe era proibido, como na sua terra natal.

Goldman lembrou que os invasores alemães de 1939 não eram os gentlemen da primeira guerra, mas soldados embrutecidos pela crença de que bolcheviques e judeus eram o inimigo da grandeza do Reich. Outra não foi a atitude dos seus pais que apoiar solidariamente as vítimas do nazismo deste a América do Sul. Muitos de seus parentes foram encerrados no Gueto de Cracóvia, berço do Papa João XXIII e do maior cientista da história polonesa, Nicolau Copérnico.

Acompanhados de Renata Plaza e Ângelo Nanini, Ricardo Plaza e o historiador e professor Haroldo Hirata trouxeram o contexto do surgimento do nazismo e a prática do holocausto.

A unificação alemã de 1871 em um Estado nacional veio seguida de uma profunda depressão econômica, que colocou a Europa em pé de guerra. Derrotados em 1918, a economia germânica não se recuperou na República de Weimar do entre-guerras. Foi esse o cenário da ascensão de Hitler ao poder, pela via eleitoral, em 1933. Seu discurso de então seria inspirador para certo presidente atual: a culpa era dos comunistas, que tomaram o poder e construíam a União Soviética. Da cultura e ciência, bastante desenvolvidas na Alemanha dos anos 1920. E dos judeus.

A estes a truculência do Reich não poupou vidas nem fronteiras. Os campos de extermínio elevaram à escala industrial o morticínio nazista. Só na Polônia, dos quatro milhões de cidadãos judeus, restaram cinquenta mil ao fim da ocupação.

Da URSS ganharam a bandeira vermelha sobre o Reichstag, em 1945. E da Humanidade, a condenação eterna pelos crimes contra ela cometidos pelos nazifascistas.

Renata e Ângelo abordaram essa triste realidade histórica sob o viés da sua negação pelos fascistas mais novos, tema da segunda parte desta cobertura.

Reproduzido na Hora do Povo.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

2 comentários em “Holocausto, Nazismo e Negacionismo – parte I

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: