A Defesa nacional e a sociedade

As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem. (art. 142 da Constituição Federal, grifos nossos)

Dias após o presidente do grupo de Defesa e Segurança do Instituto para Reforma das Relações entre Estado e Empresas, o ex-Ministro Raul Jungmann, ter conversado sobre o tema com expoentes militares na Fundação FHC, recebeu representantes das comissões de Relações Exteriores do parlamento, Senador Fernando Collor de Melo e Deputado Federal Orlando Silva.

O ex-presidente afirmou que o emprego de força bélica significa a falência de todos os instrumentos anteriores, entre eles a diplomacia, o desenvolvimento econômico e a justiça social. Em mundo em que os EUA desprestigiam o multilateralismo e o Reino Unido separa-se da União Europeia ao mesmo tempo em que China, Rússia e Índia aumentam o seu poderio, a manutenção da Paz demanda atenção do país à cooperação internacional e à solidificação das parcerias regionais.

Avaliando a Estratégia e a Politica Nacional de Defesa, Collor apresentou três desejáveis melhorias à proposta que ora se discute no Congresso:

  1. a discussão e a elaboração dos documentos deve ser participativa, não só envolvendo o Itamaraty e o Ministério da Economia, mas também a própria sociedade civil;
  2. a cooperação regional precisa ser aprofundada, no interesse nacional; e
  3. as atividades das forças singulares precisam ser imbricadas entre si, para aproveitamento de sinergias sob o comando do Ministério da Defesa.

Por sua vez, Orlando Silva elogiou a continuidade da Estratégia e da Política que, assim, tornam-se questões de Estado e não meramente da vontade deste ou daquele governo. O parlamentar defendeu que a Defesa integre a estratégia nacional de desenvolvimento, possibilitando o domínio tecnológico do país não somente com fins militares, mas também capacitando a indústria brasileira.

O deputado paulista alertou para o “risco aventureiro” de se arrastar as Forças Armadas à política e que a guerra é um “fator aceso” quando se deseja a Paz com fervor.

O debate do IREE D&F contou com moderação do General Sérgio Etchegoyen e os comentários do ex-ministro Raul Jungmann e Almirante Eduardo Leal.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: