Tirar dinheiro da Cultura é o mesmo que queimar livros

A Cultura sofre uma séria ameaça em nosso País. O obscurantismo, ou seja, a negação do conhecimento e, portanto, da ciência e da cultura, é característica típica do fascismo. O bando fascista que se apoderou do governo não ficou apenas no discurso anticultura. Depois de haver nomeado para os cargos do governo que cuidam da Cultura indivíduos totalmente avessos a ela, senão seus inimigos viscerais, agora está surrupiando as verbas destinadas a essa atividade no governo.

O ministério da Economia decidiu bloquear R$ 36 milhões de cinco órgãos ligados à Cultura: R$ 13,5 milhões foram cortados da Fundação Nacional de Artes (Funarte); a Fundação Biblioteca Nacional teve corte de R$ 11,7 milhões; mais R$ 10,4 milhões de corte do Instituto Brasileiro de Museus; a Fundação Cultural Palmares sofreu corte de R$ 1,2 milhão; e a Fundação Casa de Rui Barbosa, outros R$ 122,8 mil. Isso pode inviabilizar a realização de projetos fundamentais para a atividade cultural do País.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, “servidores da Funarte afirmam que o bloqueio é ainda maior do que o divulgado na planilha, sendo de R$ 14,7 milhões. Segundo eles, esse bloqueio irá comprometer todo o planejamento da instituição e inviabilizar projetos, como a Bolsa Funarte de Estímulo à Conservação Fotográfica Solange Zúñiga”.

Mas, segundo a revista CartaCapital, a proposta orçamentária enviada ao Congresso para vigorar em 2021 torna ainda mais dramática a situação: “a proposta enviada ao Congresso prevê redução de recursos da ordem de R$ 9 bilhões (de R$ 11,6 bi em 2020 para 2,5 bi em 2021, mais de 80%) no orçamento do Ministério do Turismo, ao qual a Secretaria Especial da Cultura é vinculada”.  Nesse corte, está prevista a redução de 78% na verba da Cultura. Se isso acontecer, diz a matéria da revista: “será o colapso total de museus, fundações, política audiovisual, patrimônio histórico, entre outros setores”.

O presidente da Associação de Servidores do Ministério da Cultura (Asminc), Sérgio de Andrade Pinto, afirmou que “a área da cultura já tem sido muito prejudicada pelo reducionismo da sua estrutura. A evasão de recursos irá piorar esse quadro”. A ameaça de colapso dos órgãos de Cultura do governo compromete seriamente a própria atividade cultural no País. O Sindicato dos Escritores no Estado de São Paulo se soma a todos quantos fazem Cultura em nosso País no repúdio a mais essa truculência. É o mesmo que queimar livros.                                                           

O nazismo e a queima de livros

São Paulo, 7 de setembro de 2020

Diretoria do Sindicato dos Escritores no Estado de São Paulo

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: