Mundo do trabalho na China (II)

No debate promovido pelo FitMetal, dedicamos a primeira parte às lições trazidas por Milton Pomar* que, junto com Elias Jabbour*, tratava do trabalho na China.

Aqui, comecemos por uma história trazida por ambos os geógrafos.

Em 2010 a China promoveu a sua reforma trabalhista. Advogados brasileiros de firma idem lá estabelecidas reuniram-se a Pomar para se queixar que a Lei local era mais protetiva que a brasileira, em relação aos direitos dos trabalhadores. Jabbour complementou que a modificação foi feita em razão das múltiplas greves que pipocaram especialmente no sul da China.

Se os salários já subiam para além da inflação e a produtividade do trabalho, o aprimoramento da regulação laboral tornou menos atrativa a mão-de-obra barata aos olhos do capital estrangeiro.

Como explicou Elias, o socialismo é uma ciência e o Estado chinês a domina, possibilitando a convivência do velho e do novo na medida da utilidade das relações econômicas para o desenvolvimento e o bem-estar dos chineses.

Assim, segundo o professor da UFRJ, um país praticamente composto por analfabetos em 1949 dedicou 40 anos à construção da indústria de base e depois seguiu elevando a taxa de investimentos até uma média superior a 40% nos últimos quinze anos. No tempo mais recente, o esforço foi para transformar mais um bilhão de pessoas em consumidores, sem perder de vista a educação, a pesquisa e a proteção social.

O Estado chinês tem agido, segundo Jabbour, de acordo com as questões concretas que se lhe apresentam. Se hoje o desafio é gerar 13 milhões de novos empregos ao ano, o governo de fato planeja e age: o sistema financeiro é basicamente estatal, regulando as finanças e o crédito e inclusive nos conselhos de administração dos maiores grupos privados há pelo menos um membro indicado pela China.

A este aprendiz da magna aula, ficou uma lição: reduzir salários e outros direitos sociais de quem trabalha só atrapalha, como dizia Henry Ford há um século, a venda dos produtos da própria indústria aos seus empregados!

*Elias Jabbour é Professor da UFRJ e doutor em Geografia e autor de quatro livros sobre a China; Milton Pomar é geógrafo, professor e consultor em Relações Institucionais com o país asiático. O debate pode ser conferido na página da FitMetal.

Reproduzido no Vermelho.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

3 comentários em “Mundo do trabalho na China (II)

  1. É preciso observar quem está interessado em demonizar a China. Trump chama o suposto vírus do Covid 19 de vírus chinês, mas está arma biológica foi desenvolvida no laboratório de Wuhan, financiado pelo próprio Instituto Nacional da Saúde dos EUA.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: