A responsabilidade social

O universo normativo brasileiro estabelece uma hierarquia entre as leis. A chamada responsabilidade fiscal é objeto de Lei Complementar, inferior ao comando constitucional do Artigo 6º, definidor dos direitos sociais: educação, saúde, alimentação, trabalho, moradia, transporte, lazer, segurança, previdência social, proteção à maternidade e à infância e assistência aos desamparados. Dessa forma, não pode o governo invocar a flexibilização de direitos inalienáveis dos cidadãos em favor da geração de superávit primário e sua destinação aos encargos da dívida, nem o Congresso Nacional ser complacente com tais medidas, mesmo sob pressão e incentivo do capital financeiro.

Trata-se da responsabilidade social.

Sempre que o particular não puder prover a sociedade plenamente, a obrigação do Estado é oferecer os meios para que os cidadãos residentes no país fruam plenamente dos direitos próprios dos fundamentos da nossa República. Ao mesmo tempo que é direito social, o trabalho é valor fundamental do Brasil, essência da própria nacionalidade.

O que fazer quando, mesmo com gigantescas desonerações fiscais e crescimento ininterrupto da flexibilização das relações de trabalho, o desemprego e a subocupação, para não falar no desalento, expandem-se em igual medida que a pobreza? Bolsonaro e Guedes oferecem mais do mesmo, fazendo o consumo decair e, com ele, as encomendas e os empregos produtivos. Um programa recém-apresentado fala em frente semestral de trabalho e retomada maciça de obras públicas, inclusive o Minha Casa, Minha Vida. Além de insuficiente para mudar a realidade brasileira, depende da vontade do presidente em exercício, que é muito próxima de nenhuma. O regime fiscal de teto de gastos, ademais, inibe a disponibilidade federal, a principal fonte de recursos para a contratação emergencial de trabalhadores e retomada de obras públicas.

É preciso que a responsabilidade social, mais ainda nos momentos de crise, sobreponha-se à responsabilidade fiscal. Gerar milhões de empregos patrocinados pelas três esferas e Poderes do setor público, cuja renda distribuída constitui outro tanto de vagas no setor privado, em razão do consumo, é tarefa complexa e exige denodo, mas não é novidade no mundo contemporâneo.

Nos EUA dos anos 30, após a quebra da bolsa e sob a presidência de Roosevelt, a principal agência de trabalho público contratou 8,5 milhões de cidadãos americanos desempregados pela crise, de um total de onze milhões, a quinta parte da população trabalhadora do país. Se eles fizeram um milhão de quilômetros de ruas e estradas e levantaram ou reconstruíram 125 mil imóveis públicos, certamente nós podemos fazer mais ainda com 12 milhões de brasileiros e uma técnica muito mais moderna.

Só depende de querer. E determinar às autoridades a ação concreta.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: