Bolsonaro e militares planejam um “Reichstag brasileiro” para incendiar o país

As provocações que se veem nas estradas e em estabelecimentos comerciais logo trazem à lembrança o incêndio do Reichstag, o parlamento alemão, ocorrido em fevereiro de 1933 e usado pelos nazistas como pretexto para fechar o regime, cujas consequências se contam aos milhões de mortos.
Jeferson Miola contou essa história meses antes do veredito das urnas e associou ao desejo provocativo daquele que, investido como Chefe do Executivo, teria dito esta semana que “começou o terceiro turno”.
O cronista lembra o felizmente fracassado atentado ao RioCentro, em que um putch organizado por militares tentou explodir um show de música com dezenas de milhares de assistentes e por a culpa na “esquerda”, mas a bomba explodiu no colo do terrorista minutos antes. Qualquer semelhança com os dias de hoje talvez não seja mera coincidência.
Miola caracteriza bem a milicianização de certos setores das Forças Armadas, integrada até por generais que batem continência para capitão, cujos dias como comandante geral estão no fim. Mas mesmo o vice-presidente da República (“esse Mourão aí”, o destratava Bolsonaro) já iniciou conversas de transição com o seu sucessor no cargo, Geraldo Alckmin.
Pela certeza na frente, vamos colocar a história na mão.

jeferson miola

Jeferson Miola                                           

“As chamas que em 27 de fevereiro de 1933 queimaram o Reichstag, em Berlim, incendiaram também a frágil democracia alemã. Hitler soube usar o ataque, conduzido por um jovem holandês, para ampliar e consolidar seu poder”.

Nas breves linhas acima, destacadas do artigo 1933: Incêndio no Reichstag era golpe na democracia alemã[dw.com] , o historiador e cientista político alemão Marc von Lüpke-Schwarz resume bem o significado de um acontecimento chave  para o ascenso nazista na Alemanha hitlerista dos anos 1930.

O Palácio de Reichstag era a sede do parlamento alemão que foi consumido pelas chamas de um incêndio criminoso provocado na noite de 27 de fevereiro de 1933. Hitler e os nazistas se apressaram em falsamente atribuir o atentado a uma “conspiração comunista”.

Marc…

Ver o post original 447 mais palavras

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, conselheiro da Casa do Povo, EngD, CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: